Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Taxa de desemprego no Brasil cresce e atinge 8%

Levantamento do IBGE abordou o trimestre entre fevereiro e abril deste ano; ao todo, 8 milhões de brasileiros estão desempregados

Por Da Redação
Atualizado em 5 jun 2024, 02h11 - Publicado em 3 jun 2015, 09h40

A taxa de desemprego no Brasil atingiu 8% no trimestre encerrado em abril, informa o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira. Trata-se do maior nível registrado para o período na série histórica iniciada em 2012. Em relação ao trimestre imediatamente anterior terminado em janeiro, quando bateu a marca de 6,8%, houve um aumento de 1,2 ponto porcentual. Segundo o instituto, 1,3 milhões de pessoas entraram na fila do desemprego entre os dois intervalos verificados.

Em relação ao mesmo trimestre do ano passado, registrou-se uma alta de 0,9 ponto porcentual. No comparativo com todos os trimestres, este foi o maior porcentual verificado desde janeiro a março de 2013, quando a taxa alcançou o mesmo valor, de 8%.

Segundo o IBGE, o número total de desempregados no período somou 8 milhões de pessoas, 985.000 a mais do que o contabilizado no mesmo intervalo de 2014.

Já a taxa de ocupação caiu no trimestre encerrado em abril em comparação com o trimestre terminado em janeiro, de 56,7% para 56,3%. Isso siginifica um contingente de 511.000 trabalhadores a menos.

Especialistas avaliam que o mercado de trabalho está absorvendo os efeitos da desaceleração da economia brasileira, que encolheu 0,2% no primeiro trimestre de 2015. “Não dá para dizer que o que se vê é apenas dispensa de temporários, tem mais pessoas procurando trabalho do que em períodos anteriores. Isso é reflexo do que aconteceu no PIB. Se você não produz, não gera trabalho e não há vagas. Muitas pessoas estavam estudando e se qualificando até o ano passado. Mas com o poder de compra em queda, mais jovens e mais idosos estão voltando ao mercado de trabalho para compor renda familiar”, afirmou o coordenador do IBGE Cimar Azeredo.

Continua após a publicidade

Os analistas ainda projetam que a taxa de desocupação vai manter a trajetória de alta em 2015 e só tende a perder força no próximo ano. “Este ano o desemprego vai aumentar, o que de certa forma é uma maneira de segurar inflação. O custo social é alto, ruim, mas faz parte do ciclo econômico. Até a economia começar a mostrar sinal de melhora, o que deve ocorrer no ano que vem, o ciclo é de alta”, afirmou o professor da Universidade de São Paulo e pesquisador da Fundação de Pesquisa e Desenvolvimento da Administração, Contabilidade e Economia (Fundace/USP), Luciano Nakabashi.

Apesar do aumento de pessoas à procura de emprego, o instituto considerou que o rendimento médio do trabalhador permaneceu estável, em 1.855 reais, para os meses de fevereiro, março e abril. No mesmo período do ano passado, a renda média era de 1.862 reais.

Dentre as atividades pesquisadas, o setor de construção foi o que mais perdeu trabalhadores no trimestre até abril ante os três meses anteriores – 288.000 pessoas a menos. Em seguida, aparece o segmento de comércio, com a perda de 176.000 postos de trabalho, na mesma base de comparação.

Metodologia – Os resultados fazem parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, que substitui a tradicional Pnad anual e a Pesquisa Mensal de Emprego (PME). O levantamento foi feito a partir do monitoramento de 70.000 domicílios em todas as regiões do país.

Continua após a publicidade

A PNAD investiga a situação do mercado de trabalho por meio de recortes trimestrais móveis. Por isso, o instituto faz as comparações entre os trimestres anteriores ou igual período do ano passado.

Leia também:

Desemprego no país sobe 23% em um ano

Brasil fechou 97.828 vagas de trabalho em abril

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.