Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Taxa de desemprego cai a 4,3% em dezembro

Patamar é o mesmo de 2013, quando a desocupação bateu a mínima histórica. Contudo, indicador só abrange seis regiões do país

Por Da Redação
29 jan 2015, 09h08

O desemprego brasileiro caiu a 4,3% em dezembro, ante 4,8% em novembro, e igualou a mínima histórica registrada no mesmo mês de 2013, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira. Vale lembrar que a Pesquisa Mensal de Emprego (PME) analisa dados de apenas seis principais regiões metropolitanas do Brasil. Há um outro indicador do IBGE – a Pnad Contínua – que vai, aos poucos, substituir a PME. A Pnad Contínua é mais abrangente, com um novo formato e uma nova metodologia, mais abrangente.

A previsão de analistas ouvidos pela agência Reuters era de taxa a 4,6% no fim do ano passado. Na média do ano passado, o desemprego foi de 4,8%, também a menor da série e abaixo da taxa média de 2013, de 5,4%.

Apesar da taxa baixa, as notícias de demissões, que começaram no ano passado, são muitas. Só as montadoras demitiram 12,4 mil trabalhadores em 2014. No setor de autopeças foram 19 mil cortes. Os bancos também já dispensaram 5 mil postos de trabalho no ano passado, segundo pesquisa divulgada nesta segunda-feira pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), em parceria com o Dieese.

Na semana passada, os próprios dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), mostraram que não foi um bom ano para o mercado de trabalho. Foram criadas apenas 396.993 vagas de emprego, queda de 65% em relação a 2013, quando o saldo líquido foi de 1.138.562 postos de trabalho, e o menor saldo líquido desde 2002.

Leia mais:

Crise nas montadoras leva setor de autopeças a cortar 19 mil empregos

Governo pode voltar atrás em mudanças nas regras do seguro-desemprego

Criação de vagas de trabalho é a pior desde 2002

O número de pessoas desocupadas no Brasil foi estimado em 1,176 milhão em 2014, 10,8% abaixo da média de 2013 (1,318 milhão). Já a população ocupada caiu 0,1% em relação a 2013, somando 23,087 milhões de pessoas na média do ano passado.

Continua após a publicidade

O percentual médio de trabalhadores com carteira de trabalho assinada no setor privado em relação à população ocupada passou de 50,3% (11,6 milhões) em 2013 para 50,8% (11,7 milhões) em 2014, segundo o IBGE.

Salário – O rendimento médio real dos trabalhadores registrou queda de 1,8% em dezembro de 2014 ante novembro, para 2.122,10 reais, mas cresceu 1,6% na comparação com dezembro de 2013.

(Com agência Reuters e Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.