Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Sem ração, 64 milhões de aves já morreram em todo o país

ABPA diz que milhares de toneladas de alimentos estão ameaçadas de perderem prazo de validade

Por Redação
Atualizado em 28 Maio 2018, 16h27 - Publicado em 28 Maio 2018, 15h57

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) disse que, por falta de condições de transporte pelas rodovias brasileiras devido à paralisação dos caminhoneiros, milhares de toneladas de alimentos estão ameaçados de perder prazo de validade, enquanto o consumidor enfrenta a escassez de produtos.

De acordo com a entidade, 1 bilhão de aves e 20 milhões de suínos estão recebendo alimentação insuficiente e a mortandade animal é uma realidade no setor.

“Com risco de canibalização e condições críticas para os animais, 64 milhões de aves adultas e pintinhos já morreram, e um número maior deverá ser sacrificado em cumprimento às recomendações da Organização Mundial de Saúde Animal e das normas sanitárias vigentes no Brasil. Milhões de suínos também estão ameaçados”, diz a associação em nota. Sem combustível para os tratores, até o enterro dessas aves está sendo afetado.

A mortandade cria uma grave barreira para a recuperação da produção do setor nas próximas semanas e meses. “As carnes suína, de frango e os ovos, proteínas que antes eram abundantes e com preços acessíveis, poderão se tornar significativamente mais caras ao consumidor caso a greve se estenda ainda mais. O velho fantasma da inflação poderá assombrar o país, pelo menos até que ocorra o restabelecimento da produção. Os menos favorecidos serão os mais prejudicados”, alerta a entidade.

Continua após a publicidade

A ABPA registrou 167 plantas frigoríficas de aves e suínos paradas. Mais de 234.000 trabalhadores estão com atividades suspensas.

O desabastecimento de alimentos para o consumidor também já é fato, uma vez que milhares de toneladas de carnes e outros produtos deixaram de ser transportados para os centros de distribuição desde o início da greve. Outros milhares de toneladas não foram produzidos pelas fábricas, que foram obrigadas a paralisar a produção por não ter mais onde estocar produtos.

A situação é caótica não só para o mercado nacional. Aproximadamente 100.000 toneladas de carne de aves e de suínos deixaram de ser exportadas na última semana. O impacto na balança comercial já é estimado em 350 milhões de dólares.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.