Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Renault-Nissan nomeia novo time administrativo para avançar em integração

Parceiras já antigas, agora empresas integrarão suas principais operações para buscar eficiência e enfrentar concorrência

Parceiras há 15 anos, a montadora francesa Renault e a japonesa Nissan revelaram planos nesta segunda-feira para integrar suas principais operações e buscar economias de escala para enfrentar grandes rivais, como a Volkswagen. A criação de uma nova equipe de gestão para a aliança estava entre as medidas anunciadas pelo chefe da Renault-Nissan, Carlos Ghosn.

Foram nomeados novos vice-presidentes executivos para administrar conjuntamente as áreas de fabricação, pesquisa e desenvolvimento, compras e recursos humanos no âmbito da aliança, a partir de 1º de abril. Tsuyoshi Yamaguchi, atual chefe de plataformas e peças, assumirá a responsabilidade geral pela pesquisa e desenvolvimento de motores e veículos, incluindo futuros carros elétricos.

A área de estratégia, produção e cadeia de suprimentos industrial será dirigida por Shohei Kimura, enquanto os ex-executivos da Renault Christian Vandenhende e Marie-Françoise Damesin vão liderar a área de compras combinadas e recursos humanos.

Leia mais:

Lucro da Volkswagen cai 58% em 2013

Brasileiro Issao Mizoguchi é nomeado chefe de operações da Honda na América do Sul

​Produção de veículos cresce 18,7% em fevereiro, diz Anfavea

Pressionadas pelo aumento dos custos de regulação de emissões em seus mercados domésticos e pela competição mais acirrada em mercados emergentes, onde a demanda está desacelerando, as montadoras ocidentais têm olhado para fusões, alianças e acordos de produção para compartilhar custos e aumentar sua rentabilidade.

A Renault e sua afiliada Nissan, da qual detém participação de 43,4%, estão lançando novos modelos em uma plataforma veicular desenvolvida em conjunto para mercados de massa. Em janeiro, elevaram sua meta de poupar pelo menos 4,3 bilhões de euros (6 bilhões de dólares) até 2016.

O presidente-executivo da Renault-Nissan prometeu um “aumento imediato na eficiência”, acrescentando que a economia irá ajudar a companhia a “entregar veículos de maior valor para os clientes e permanecer na vanguarda da inovação”.

(com agência Reuters)