Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Relator do Orçamento impõe teto de R$ 55 bi para pagamento de ‘pedaladas’

O deputado Hugo Leal (Pros/RJ), relator da Lei Orçamentária de 2015, limitou em 55 bilhões de reais o pagamento neste ano pelo governo federal aos bancos públicos referentes das chamadas “pedaladas fiscais”, de acordo com parecer entregue nesta quinta-feira à Comissão Mista de Orçamento. Leal incluiu a estimativa após deputados da oposição terem advertido que a primeira proposta do governo infringia a Lei de Responsabilidade Fiscal ao permitir uma meta fiscal flexível para este ano.

Com a nova estimativa, que vai a votação na comissão na próxima semana, o déficit primário em 2015 pode chegar a 115 bilhões de reais, o maior da história. “Deixar a meta sem um piso não contribuiria para o restabelecimento da confiança indispensável à superação do momento adverso”, disse o deputado em seu relatório.

Nesta semana, o governo federal previu que fechará o ano com um déficit primário de no mínimo 51,8 bilhões de reais. O valor pode chegar a mais de 60 bilhões de reais em caso de frustração da previsão de arrecadar 11,05 bilhões de reais com o leilão de concessão de hidrelétricas existentes, sem contabilizar as pedaladas.

O Tribunal de Contas da União (TCU) condenou as chamadas “pedaladas fiscais”, prática de atrasar o repasse de recursos aos bancos federais para cobrir os gastos com programas sociais e subsídios.

Leia mais:

Com ‘pedaladas’, déficit pode ir a R$ 110 bi em 2015, diz Tesouro

Carga tributária caiu em 2014 – mas relação do Brasil com os impostos não melhorou

(Com Reuters)