Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Procon notifica Cacau Show por ovos de páscoa mofados

Empresa trabalha em laudo para verificar a origem do problema e afirma que está realizando a troca dos produtos aos consumidores prejudicados

A Fundação Procon-SP afirmou que notificou a empresa de alimentos Cacau Show nesta quarta-feira, devido a queixas de consumidores que compraram ovos de páscoa mofados em lojas franqueadas. Todas as reclamações, segundo o Procon, referem-se ao Ovo Brigadeiro, da linha Dreams. Queixas de consumidores foram registradas na página da empresa no Facebook, no domingo de Páscoa – muitas delas, ilustradas com imagens do mofo no chocolate.

A notificação pede que a empresa esclareça em 24 horas qual é a origem do defeito do produto: se é na fabricação ou no armazenamento dos chocolates. A Cacau Show também deverá informar à entidade o que está sendo feito para compensar os consumidores afetados. “Caso algum consumidor lesado tenha passado mal, nossa orientação é para que ele busque as vias judiciais”, afirma a técnica do Procon, Andrea Benedetto.

De acordo com a entidade, seja qual for a razão da falha – produção, armazenamento ou manuseio dentro das lojas franqueadas – a responsabilidade do problema permanece com a Cacau Show. “O importante é saber a origem da falha para identificar se há necessidade de recall”, diz Andrea.

Leia também:

Unilever pode ser multada em R$ 6 mi por contaminação do Ades

Em comunicado, a Cacau Show afirmou que está realizando a troca imediata dos produtos que apresentarem problemas. A empresa afirmou que, até o momento, recebeu “reclamações pontuais referentes ao produto” e que trabalha para produzir o laudo final sobre o problema. Segundo a Cacau Show, avaliações preliminares mostram que não houve problema na produção dos ovos. “Como medida imediata, já foram avaliadas pelo departamento de qualidade todas as contraprovas – amostras dos itens produzidos e enviados às lojas – dos lotes do Ovo Brigadeiro e não foram encontradas irregularidades no processo”, informou a empresa. Segundo o Procon, se houver falhas na fabricação, a empresa poderá ser multada em 6 milhões de reais.

A fabricante reiterou, em nota, que opera segundo as normas estabelecidas pela legislação de Vigilância Sanitária e que realiza controles de qualidade severos em suas fábricas e franqueadas.