Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

‘Prévia do PIB’ no azul ainda não é sinal de comemoração

Pequena reação dos setores de comércio e serviço, somada à base baixa de resultados anteriores, reflete a leve alta do indicador, segundo especialistas

Por da Redação
Atualizado em 15 jul 2019, 19h17 - Publicado em 15 jul 2019, 17h49

O aumento do Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) de 0,54% em maio em relação a abril, divulgado nesta segunda-feira, 15, pelo Banco Central, foi um dos primeiros sinais positivos do ano na economia brasileira. Entretanto, ainda não há cenário para comemoração. Isso porque a alta do indicador ocorre num momento em que a economia vinha muito fraca, de acordo com especialistas.

“A base de comparação é baixa. A atividade econômica registrou quatro meses de retração. Então, a reação de alguns setores em maio ajudam o indicador a crescer”, afirmou Luana Miranda, pesquisadora da área de economia aplicada do FGV IBRE. De acordo com a especialista, a reação do comércio, levando em conta o varejo ampliado (que contempla o setor de veículos e material de construção), e dos serviços, que tiveram alta em quatro de cinco categorias, é um dos índices que mostram uma ligeira retomada da economia, ambos de acordo com o IBGE.

“A indústria vem sofrendo muito com o impacto da tragédia de Brumadinho na Vale, mas houve avanço em outros setores da indústria de transformação e que movimentam outros setores da economia”, afirma Luana. Segundo a Pesquisa Industrial Mensal do IBGE, a indústria de bens de capital (que produz máquinas e equipamentos que servem para a produção de produtos finais) subiu 0,5% no período e bens intermediários (utilizados na produção de produtos finais, como tecidos e ligas de aço) tiveram alta de 1,3%.

“Depois de tantos meses de negativa, essa pequena reação oferece um alívio, mas não significa recuperação da economia”, analisa a especialista Luana. No trimestre móvel (março, abril e maio), o IBC-Br ainda registrou queda de 0,99%.

Continua após a publicidade

Luana Miranda chama a atenção para o crescimento da atividade econômica em comparação a maio do ano passado – alta de 4,4%. Apesar da base de comparação ser ainda menor – já que em maio de 2018 aconteceu a greve dos caminhoneiros, que impactou a economia –, ela afirma que o dado mostra uma reação da economia.

O IBC-Br, além dos dados da indústria, comércio e serviços, também leva em consideração a agropecuária e o recolhimento de impostos sobre a produção, que também podem influenciar no resultado e trazer números diferentes do produto interno bruto (PIB).

Continua após a publicidade

De acordo com analistas econômicos do Mitsubishi UFJ Financial Group, mesmo com o crescimento da atividade em maio, o ritmo trimestral permanece bastante fraco. “Por exemplo, se o IBC-Br em junho mostrar crescimento nulo, então o indicador no segundo trimestre pode mostrar contração próxima a 0,50%. Mas, considerando as diferenças metodológicas como um conjunto mais amplo de informações consideradas pelo PIB e a correspondência entre a oferta e a demanda, esperamos que o produto interno bruto fique em torno de 0%”, informou a instituição, em relatório divulgado nesta segunda-feira. 

Crescimento anual

Na semana passada, o governo federal revisou a expectativa para o PIB, de 1,6% para 0,81%, em linha com o que prevê o mercado financeiro. Nesta segunda-feira, o Boletim Focus trouxe a vigésima queda seguida no PIB, estimado também em 0,81% pelos analistas ouvidos pelo Banco Central.

Para Luana Miranda, a previsão da Fundação Getulio Vargas é um pouco mais otimista que a do Boletim Focus e do governo. “Acreditamos em um cenário mais próximo do 1%, com uma reação econômica no segundo semestre, mas motivado por um pequeno aquecimento já no segundo trimestre”, disse.

Continua após a publicidade

O banco Mitsubishi espera PIB de 1% neste ano, contando com a retomada econômica no segundo semestre, em meio ao maior otimismo dos empresários, graças à aprovação em primeiro turno da reforma da Previdência na Câmara dos Deputados. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.