Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Prévia do PIB indica retração econômica de 0,12% no terceiro trimestre

O IBC-Br, divulgado pelo Banco Central nesta quinta, reforça as estimativas do mercado de que o país terá crescimento nulo ou negativo no terceiro trimestre

Por Da Redação 14 nov 2013, 07h57

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), considerado um antecipador do Produto Interno Bruto (PIB), registrou contração de 0,12% no terceiro trimestre do ano em comparação aos três meses anteriores. O indicador foi divulgado nesta quinta-feira pelo Banco Central. Em setembro, o índice apresentou contração de 0,01%. Segundo dados revisados, no segundo trimestre o indicador mostrou expansão de 0,84% sobre o primeiro.

O resultado mensal veio abaixo da mediana das projeções do mercado, mas dentro do intervalo das estimativas. Analistas consultados pela Reuters esperavam alta mensal de 0,3% em setembro, de acordo com a mediana de 21 projeções, que variaram de estagnação a alta de 0,6%.

Leia também:

Perspectiva de crescimento para Brasil diminui, diz OCDE

Maldição do ‘pibinho’ deve perdurar em 2013 e 2014

Apesar de ter registrado queda na variação mensal, o IBC-Br teve alta de 2,68% em setembro na comparação com igual mês do ano passado, quando o indicador havia registrado contração de 0,96% na comparação com agosto de 2012.

Com o resultado divulgado nesta quinta, o IBC-Br acumula alta de 2,89% e nos últimos doze meses, de 2,48%, levando em conta os ajustes sazonais.

Continua após a publicidade

Trimestre – O resultado de setembro reforça previsões do mercado de que a economia pode ter crescimento nulo no terceiro trimestre. O IBC-Br de julho, por exemplo, mostrou retração da atividade econômica de 0,34%, mas registrou leve recuperação em agosto, quando o indicador mostrou alta de 0,09% (dado revisado).

Indicador – O IBC-Br serve como parâmetro para avaliar o ritmo da economia brasileira ao longo dos meses. Entre os componentes do indicador está a Pesquisa Industrial Mensal, que mostrou alta de 0,9% em setembro ante agosto, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O principal peso sobre a economia brasileira vem da indústria, que encontra fortes dificuldades em firmar recuperação em um ano de performance errática.

Outro componente importante do índice do BC são os números do varejo, que foram divulgados na quarta-feira pelo IBGE, mostrando avanço de 0,5% em setembro ante agosto.

Leia ainda:

Vendas no varejo registram alta de 0,5% em setembro

Indústria avança 0,7% em setembro, aponta IBGE

(com Estadão Conteúdo e agência Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade