Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Powell indica que corte de juros nos EUA não deve ocorrer em março

Probabilidade de manutenção das taxas ganhou força no mercado: apostas pela manutenção em março subiram de 52,9% para 82,5% em uma semana

Por Larissa Quintino
Atualizado em 5 fev 2024, 12h06 - Publicado em 5 fev 2024, 11h29

Os rumos da política monetária americana, que hoje mantém as taxas no patamar mais alto em 22 anos (5,25%-5,50% ao ano), monopolizam a atenção de investidores mundo afora. Na noite de domingo, o presidente do banco central dos Estados Unidos, Jerome Powell, detalhou em entrevista ao programa 60 Minutes da rede de TV CBS, o caminho que os juros devem seguir. E, com isso, houve uma diminuição das expectativas que o corte venha em um curtíssimo prazo.

De acordo com a ferramenta FED Watch, as apostas pela manutenção dos juros na reunião de março aumentaram de 52,9% na semana passada para 82,5% nesta segunda-feira, após a fala do presidente do banco central americano. Na semana passada, 46% projetavam um corte de 0,25 ponto, o que levaria a taxa para o intervalo de 5% a 5,25%. Agora, a aposta pelo corte fica na casa de 17,5%.

Powell deixou claro que os membros do FOMC (o comitê de política monetária do FED) enxergam sim espaço para a queda de juros, mas que o colegiado espera mais dados econômicos confirmarem a queda da inflação para iniciar os cortes. “Não é provável que esta comissão (Fomc) atinja o nível de confiança a tempo da reunião de março, que será daqui a sete semanas. Esse não é o mais provável”, afirmou. Na semana passada, os números do mercado de trabalho e do salário acima das expectativas, que indicam uma economia forte e com demanda aquecida,  frustraram os investidores esperançosos por uma queda dos juros a partir de março.

Se a entrevista serviu pra jogar água na fervura de quem esperava um início da flexibilização das taxas já nesta reunião, Powell no entanto, deu sinais importantes e não tão pessimista. Segundo ele, os números da economia americana não precisam vir “excelentes”, se vierem “bons” já será o suficiente para iniciarem os cortes — e que devem ser três ao longo deste ano.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.