Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Petrobras ajuda e BM&FBovespa inicia agosto com alta de 1,88%

Os indicadores positivos vieram de dados industriais chineses, europeus e norte-americanos. Em Wall Street, bolsas fecham em alta

Por Da Redação 1 ago 2013, 18h59

Os indicadores globais garantiram um início de agosto positivo à BM&FBovespa. O patamar de 49 mil pontos foi resgatado por uma alta quase generalizada das ações que compõem o índice. Alguns papéis se superaram, como foi o caso da Petrobras, Gerdau e JBS. Os bancos também mostraram comportamento exuberante e ajudaram a içar o Ibovespa nesta quinta-feira.

A bolsa doméstica terminou com valorização de 1,88%, em seu primeiro pregão do mês, aos 49.140,78 pontos. Na mínima, operou estável, aos 48.235 pontos e, na máxima, registrou 49.281 pontos, com alta de 2,17%. No ano, acumula perda de 19,38%. O giro financeiro totalizou 6,731 bilhões de reais. Os indicadores positivos vieram dos dados industriais de China, Europa e Estados Unidos.

Leia também:

Dólar fecha acima de R$ 2,30 pela 1ª vez em mais de 4 anos

No cenário externo, as bolsas de Wall Street repercutiram positivamente os pedidos de auxílio-desemprego, que recuaram para 326 mil na semana passada, menor nível em cinco anos e abaixo da previsão de 345 mil solicitações. Mesmo à espera do relatório do mercado de trabalho (payroll), na sexta-feira, as bolsas subiram com vigor. O índice Dow Jones registrou elevação de 0,83%, aos 15.628,02 pontos, e o S&P 500 subiu 1,25%, para 1.706,87 pontos, ambos em patamares recordes. O S&P fechou pela primeira vez acima dos 1.700 pontos, e o Nasdaq teve ganho de 1,36%, aos 3.675,74 pontos. A Exxon Mobil foi a única dos papéis que integram o Dow Jones a ficar no vermelho, após resultados trimestrais terem vindo abaixo das expectativas de Wall Street.

Continua após a publicidade

Leia ainda:

BM&FBovespa encerra julho com primeira alta mensal do ano

“O cenário econômico continua a ser favorável para as ações”, afirmou Terry Sandven, estrategista do U.S. Bank Wealth Management. “Estamos começando a ver evidências de que os acontecimentos internacionais e mercados emergentes estão se estabilizando para mostrar melhora modesta. Isto é positivo para as multinacionais dos EUA e uma razão para esperar que as ações dessas empresas fiquem ainda mais altas no final do ano e em 2014”. Os investidores esperam agora pela direção fornecida pelos dados do mercado de trabalho dos EUA em julho, previstos para esta sexta-feira, bem como por movimentos futuros pelo Federal Reserve.

Petrobras – A Petrobras ajudou a alavancar o Ibovespa. As ações foram influenciadas pelos dados chineses e pela notícia do aumento da produção. Na noite passada, a empresa informou que sua produção total de petróleo e gás no Brasil cresceu 4,8% em junho ante maio, para 2,378 milhões de barris por dia.

(com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês