Clique e assine a partir de 9,90/mês

Parlamento alemão aprova terceiro pacote de resgate à Grécia

Chanceler Angela Merkel pediu aos parlamentares para que votassem sim às negociações com o governo grego para evitar "o caos"

Por Da Redação - 17 jul 2015, 11h59

O parlamento alemão aprovou nesta sexta-feira a negociação para liberar um terceiro pacote de resgate financeiro à Grécia, que pode chegar a 86 bilhões de euros. Acatando a um pedido da chanceler do país, Angela Merkel, os parlamentares deram o aval para o prosseguimento das conversações com Atenas por 439 votos a favor ante 119 contrários e 40 abstenções.

Há um sentimento de desconfiança por parte do provo alemão pelo fato de a Alemanha ter sido o país da zona do euro que mais contribuiu com os dois pacotes anteriores.

O ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schaeüble, questionou se o novo programa terá sucesso, apesar de a oferta dos credores ao governo grego incluir condições de mais austeridade e reformas econômicas que Berlim havia exigido.

LEIA TAMBÉM:

Continua após a publicidade

Europa aprova empréstimo emergencial de 7 bilhões de euros à Grécia

Parlamento grego aprova medidas em acordo com credores internacionais

Merkel, por outro lado, argumentou a favor das negociações para evitar que a Grécia saia do euro, o chamado “Grexit” que poderia prejudicar toda a união monetária. “A alternativa a esse acordo não seria uma saída temporária da zona do euro, mas sim um previsível caos”, disse Merkel ao parlamento. “Seríamos grosseiramente negligentes, e agiríamos de forma irresponsável, se nós ao menos não tentarmos esse caminho”, declarou.

O próprio Schaeüble sugeriu que a Grécia poderia ficar melhor saindo temporariamente da zona do euro para solucionar seus enormes problemas econômicos. Mas a chanceler conservadora afirmou que a Grécia e os outros países do euro não estão dispostos a aceitar a ideia. “Portanto, esse caminho não é viável”, acrescentou.

Continua após a publicidade

Apesar das reticências, Schaeüble se alinhou por fim à chanceler. “Peço a todos que votem a favor deste pedido hoje. O governo não enviou o pedido com facilidade”, disse ele. “É uma última tentativa de cumprir essa tarefa extremamente difícil”.

Merkel também conquistou o apoio do Partido Social-Democrata, parceiro minoritário da coalizão. “Qualquer debate sobre uma saída da Grécia tem agora que pertencer ao passado”, disse o líder social-democrata, Sigmar Gabriel, que também é o vice-chanceler.

Essa visão, no entanto, está longe de ser unânime no país. Um exemplo disso foi a manchete do popular jornal Bild, que foi às bancas nesta sexta, com o seguinte título: “Sete motivos pelos quais o parlamento deveria votar ‘Não’ hoje”. Na matéria, a publicação listava as razões pelos quais a “saída da Grécia (da zona do euro) é a melhor solução”.

Assim como o primeiro-ministro grego Alexis Tsipras, Merkel enfrentava descontentamento em suas próprias fileiras. Mesmo assim, ela não teve maiores dificuldade para conseguir o aval do Legislativo por causa da arrasadora maioria que forma a sua base, integrada por conservadores e sociais-democratas.

Continua após a publicidade

(Com agência Reuters)

Publicidade