Clique e assine com 88% de desconto

Parlamento alemão aprova extensão de resgate grego

A votação na Bundestag era o único grande obstáculo parlamentar para o pedido de ajuda financeira feita pela Grécia

Por Da Redação - 27 fev 2015, 12h41

O Parlamento da Alemanha aprovou a extensão do resgate da Grécia nesta sexta-feira. Com 542 parlamentares votando a favor, incluindo quase todos da coalizão da chanceler Angela Merkel mais o Partido Verde, de oposição, a proposta obteve a maioria – a Câmara tem 631 assentos. A votação na Bundestag era o único grande obstáculo parlamentar para uma extensão de quatro meses ao programa de resgate para o país mais endividado da zona do euro.

Antes da aprovação, o ministro das Finanças, Wolfgang Schaeuble disse que não será permitido a Atenas que “chantageie” seus parceiros da zona do euro. Desde o início do ano, quando o governo de esquerda liderado por Alexis Tsipras, assumiu o poder, a Alemanha se mostra relutante, com receio de que a Grécia não cumpra com o prometido.

Leia mais:

Eurogrupo aprova plano grego, mas pede mais reformas

Publicidade

Comissão Europeia diz que lista grega está “suficientemente completa”

Schaeuble havia pedido ao Parlamento, mais cedo, que tomasse uma decisão que ele reconheceu ser difícil, aprovando a extensão do resgate grego. O ministro pediu à câmara baixa do Parlamento senso de responsabilidade para a Europa. “Nós, alemães, deveríamos fazer tudo para manter a Europa unida o máximo que pudermos e mantê-la unida de novo e de novo”, disse o monistro das Finanças alemão.

Ao comentar os receios na Alemanha sobre dar mais concessões à Grécia, Schaeuble afirmou que nenhuma nova ajuda financeira está em jogo. “Não estamos falando sobre novos bilhões para a Grécia, não estamos falando sobre qualquer mudança a esse programa – em vez disso, trata-se de fornecer tempo extra para encerrar com sucesso esse programa”, disse ele, acrescentando que solidariedade entre membros do bloco de moeda única “não significa que você pode chantagear um ao outro”.

(com agência Reuters)

Publicidade