Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

País tem pior superávit primário para março em 3 anos

Resultado ficou em 3,5 bilhões de reais - abaixo da mediana das estimativas de analistas, que aguardavam saldo positivo de 5,6 bilhões de reais

Por Da Redação
30 abr 2013, 11h33

O setor público brasileiro registrou superávit primário (economia para o pagamento dos juros da dívida) de 3,5 bilhões de reais no mês passado, informou o Banco Central nesta terça-feira. Trata-se do pior resultado para meses de março desde 2010. O número foi pior que o esperado por analistas, cuja mediana apontava saldo positivo de 5,6 bilhões de reais. Em março de 2012, o superávit havia ficado em mais de 10 bilhões de reais, quase o triplo do registrado no mês passado.

No acumulado de 12 meses, o superávit primário caiu de 96,641 bilhões de reais para 89,699 bilhões de reais de fevereiro para março, passando de 2,16 % para 1,99% do Produto Interno Bruto (PIB) estimado pelo BC para os respectivos períodos.

Os governos regionais (estados e municípios) garantiram a maior parte do primário de março, com superávit de 2,143 bilhões de reais. Já o governo central – composto por Tesouro Nacional, BC e Previdência- registrou saldo primário positivo de 1,059 bilhão de reais no período, enquanto que as estatais, 298 milhões de reais.

Leia também:

Superávit do governo central tem queda de 41% no trimestre

Continua após a publicidade

Dívida pública federal fecha março em 1,940 trilhão de reais

Superávit de março indica deterioração fiscal, diz consultoria

O BC informou ainda que o déficit nominal do país somou 15,859 bilhões de reais no mês passado, enquanto a dívida pública representou 35,5% do PIB.

Em março, as contas públicas do país foram afetadas pela arrecadação federal, que registrou queda de quase 10% sobre um ano antes, somando 79,613 bilhões de reais. O resultado veio da economia ainda sem sinais de recuperação mais robusta e pelas desonerações fiscais feitas pelo governo.

Continua após a publicidade

Diante desse quadro, recentemente, o governo encaminhou ao Congresso medida que flexibiliza ainda mais a meta de superávit primário deste ano – definida em 155,9 bilhões de reais – e de 2014. Por meio dela, os estados e municípios poderiam abater seus investimentos da meta que cabe a eles, de 47,8 bilhões de reais em 2013.

Antes dessa medida, o governo havia anunciado no início do ano que poderia abater até 65 bilhões de reais em gastos com investimentos e desonerações da meta cheia de superávit primário do setor público consolidado.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.