Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Os planos de Lula para a Petrobras e o preço do combustível

O ex-presidente fala em 'abrasileirar' os preços da gasolina e do diesel no país e se opõe à privatização da companhia

Por Larissa Quintino Atualizado em 21 jun 2022, 18h13 - Publicado em 21 jun 2022, 11h22

No centro do debate político e com importância fundamental na disputa eleitoral de 2022, a Petrobras não sai da boca do presidente Jair Bolsonaro (PL) e de seu principal adversário na corrida ao Planalto, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O novo rascunho do plano de governo do petista traz a Política de Paridade Internacional da petroleira ao centro do debate, reafirmando o posicionamento da primeira proposta divulgada, no começo de junho: contra a privatização da companhia e a atual política de preços.

Nas novas diretrizes, o plano do PT traz uma crítica direta à gestão de Bolsonaro. “O atual governo renunciou ao uso de instrumentos importantes no combate à inflação, a começar pela política de preços de combustíveis”, escreve. A proposta de Lula é ‘abrasileirar’ o preço dos combustíveis.

“O país precisa de uma transição para uma nova política de preços dos combustíveis e do gás, que considere os custos nacionais e que seja adequada à ampliação dos investimentos em refino e distribuição e à redução da carestia. Os ganhos do pré-sal não podem se esvair por uma política de preços internacionalizada e dolarizada: é preciso abrasileirar o preço dos combustíveis e ampliar a produção nacional de derivados, com expansão do parque de refino”, diz o ponto 58 do documento.

Privatização

O rascunho do plano de governo se opõe à privatização da companhia, bem como de outras estatais, até mesmo da recém-liquidada Eletrobras. Sobre a petroleira, o PT declara se opor “fortemente à privatização, em curso, da Petrobras e da Pré-Sal Petróleo S.A. (PPSA)”.  Segundo a diretriz, a Petrobras precisa garantir o abastecimento do país. “Portanto, [a Petrobras ] voltará a ser uma empresa integrada de energia, investindo em exploração, produção, refino e distribuição, mas também atuando nos segmentos que se conectam à transição ecológica e energética, como gás, fertilizantes, biocombustíveis e energias renováveis.”

Sobre a Eletrobras, Lula defende “recuperar seu papel como patrimônio do povo”, sem falar como, isto é, se pretende recomprar os papéis da companhia, capitalizada recentemente pelo governo – que, assim, deixou de ser acionista prioritário. Lula também declara que não privatizará os Correios, uma das propostas de Bolsonaro em 2018, que não saiu do papel.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)