Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Operador de Calheiros é alvo da PF em investigação do Postalis

A polícia investiga organização criminosa especializada no desvio de recursos previdenciários do fundo de pensão dos funcionários dos Correios

A Polícia Federal (PF) investiga a partir desta quinta-feira a atuação de uma suposta organização criminosa especializada no desvio de recursos previdenciários do Fundo Postalis, o fundo de pensão dos funcionários dos Correios. Um dos alvos da investigação é Milton Lyra, apontado como operador do senador Renan Calheiros (PMDB-AL).

Lyra é investigado no mesmo inquérito em que Calheiros por suposta atuação em investimentos fraudulentos do Postalis. Em relatório anexado ao inquérito, o MPF aponta que Lyra recebeu 13,8 milhões de reais de fundos de investimentos em que o Postalis é cotista – 3,5 milhões de reais do Atlântica Real Sovereign e 10,3 milhões de reais do Brasil Sovereign II.

No pedido de abertura do inquérito, o ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apontou que a quebra de sigilo telemática de Lyra mostra que há nada menos que seis números de telefone e um e-mail constantes em seu celular como sendo de Alex Predtechensky, ex-presidente do Postalis e denunciado por desvios no fundo.

Em novembro de 2017, o empresário Paulo Roberto Gazani Júnior, investigado na Operação Custo Brasil, desdobramento da Lava Jato, afirmou em acordo de colaboração premiada que o ex-presidente do Postalis Alexej Predtechensky pediu propina de 3% na negociação de uma operação de debêntures envolvendo a empresa JHSF, em um total de 75 milhões de reais.

À época, Predtechensky apontava a necessidade de honrar “compromissos” com seus padrinhos políticos do PMDB. Predtechensky comandou o fundo de pensão entre 2006 e 2012.

No termo de colaboração, Gazani diz que o ex-presidente do Postalis, fundo de pensão dos funcionários dos Correios, não deixou claro quem do PMDB era o responsável por sua indicação para o posto, mas ele é conhecido por ser apadrinhado político do senador Edison Lobão (MA). Predtechensky já foi sócio de um dos filhos do senador, Márcio Lobão, em uma empresa que fechou há alguns anos.

O peemedebista nega a indicação política. Gazani Júnior também afirmou na delação que até uma igreja foi utilizada para mascarar suposto pagamento de propina para o ex-presidente do Postalis Alexej Predtchensky.

A reportagem tentou contato com a assessoria do empresário Milton Lyra. O espaço está aberto para manifestação.

Operação

A operação denominada Pausare continuará pelas próximas 48 horas em São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal e Alagoas, segundo a PF.

Ainda segundo a polícia, a investigação surge de auditorias de órgãos de controle encaminhados pelo Ministério Público Federal, que identificaram má gestão, irregularidades e impropriedades na aplicação dos recursos do Postalis – causando déficit de aproximadamente 6 bilhões de reais ao fundo. Como consequência, aposentados e funcionários do Correios, além do Tesouro Nacional, tiveram de aumentar a contribuição para o fundo de previdência.

O Postalis é o maior fundo de pensão brasileiro em número de participantes e responsável por administrar um patrimônio de 8,77 bilhões de reais.

Foram emitidos 100 mandados judiciais para 62 equipes policiais. Segundo a PF, entre os alvos estão pessoas físicas, inclusive empresários em suposta articulação com gestores do fundo de pensão, e pessoas jurídicas, como empresas com títulos em bolsas de valores e instituições de avaliação de risco.

O nome da operação faz referência ao infinitivo presente do verbo latino pauso, palavra empregada com o sentido de aposentadoria.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Fundo de pensão de empresa estatal ? Póde kunfiá qui vai dar serto, vai ser um çucéço pra meter as mão nos dinhêru deles…. kkkkkkkkkkkkkkk

    Curtir

  2. Onde tem político kúidando de fundo de pensão, todos nós já sabemos : Corrupção desenfreada até quebrar o fundo e ferrar de vez a aposentadoria complementar dos seus funcionários.

    Curtir