Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Olympus pode ter processo de US$1,2 bi e renúncia de presidente

Por Da Redação 8 jan 2012, 09h40

TÓQUIO, 8 Jan (Reuters) – A Olympus Corp está estudando abrir um processo indenizatório contra seus atuais e antigos executivos, de cerca de 90 bilhões de ienes (1,2 bilhão de dólares), enquanto seu novo presidente está considerando renunciar, disse uma fonte familiar ao caso.

A fabricante de endoscópios está preparando uma ação para ajudar a cobrir danos de uma fraude contábil de 1,7 bilhão de dólares que atacou as finanças, o valor de mercado e a reputação da empresa de 92 anos, disse a fonte.

A ação deve incluir executivos atuais, que não viram os 13 anos de acobertamento ou deixaram de questionar os honorários exorbitantes de consultoria feitas para as aquisições, disse.

A Olympus disse em comunicado que iria anunciar o conteúdo de qualquer ação na terça-feira. Não quis dar declarações sobre se o seu presidente, Shuichi Takayama, pretendia renunciar.

Takayama, que assumiu a empresa em outubro, vem resistindo a pedidos para renunciar.

Ele disse que não estava envolvido na ocultação das perdas, e que sua primeira responsabilidade era a de reconstruir os negócios da empresa depois que o escândalo tirou 60 por cento de sua capitalização de mercado.

Continua após a publicidade

Mas um grupo externo nomeado pela empresa apontou Takayama como um dos seis membros da diretoria atual que violaram o dever fiduciário ao permitir que o ex-presidente Tsuyoshi Kikukawa e outros diluíssem os ativos da Olympus.

O principal credor da empresa e seu maior acionista, Sumitomo Mitsui Financial Group, vem apoiando a gestão existente e seus esforços para buscar capital para reforçar suas finanças.

Takayama substituiu o presidente e CEO Tsuyoshi Kikukawa em outubro, depois que o CEO britânico Michael Woodford avisou sobre o envolvimento de Kikukawa na fraude contábil.

Na sexta-feira, Woodford desistiu de tentar voltar a liderar a Olympus, e disse que iria processar a empresa por demissão injusta.

A empresa deve escolher o sucesso de Takayama entre os três membros da diretoria que o painel disse que não eram responsáveis por encobrir o caso — Masataka Suzuki, Kazuhiro Watanabe e Shinichi Nishigaki – disse a fonte.

O painel recomenda que Kikukawa, o ex-vice-presidente Hisahi Mori e o ex-auditor Hideo Yamada arquem com os danos por criarem o esquema de acobertamento de perdas, disse a fonte.

(Por Reiji Murai, Texto de Robert Birsel)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)