Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

OCDE projeta PIB a 2,30% em 2022, mais otimista que mercado brasileiro

Estimativa é menor que os 2,5% projetados pelo Ministério da Economia; mediana do mercado diminui semanalmente devido a inflação, juros e instabilidade

Por Luana Meneghetti Atualizado em 21 set 2021, 20h19 - Publicado em 21 set 2021, 16h27

Enquanto o mercado segue pessimista com o crescimento do Brasil em razão da pressão inflacionária e dos ruídos internos com as incertezas políticas e fiscais no radar, a projeção da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) é um pouco mais animadora. A entidade projeta um PIB de 2,3% para 2022, enquanto a estimativa do mercado é de 1,63%, de acordo com o Boletim Focus. A expectativa da OCDE foi divulgada nesta terça-feira, 21, pela entidade e é 0,2 ponto percentual menor que no relatório anterior, de maio.

Para analistas brasileiros, entretanto, a visão da OCDE está mais otimista que os fundamentos atuais apontam.  “As expectativas não incluem alguns riscos importantes que têm pesado sobre a atividade econômica em 2021 e que devem continuar a pesar em 2022”, diz Alexandre Lohmann, economista da Constância Investimentos. Vale salientar, entretanto, que a projeção da organização ainda sim é inferior a do Ministério da Economia, que na semana passada revisou a estimativa de 2,51% para 2,50%.

A organização projeta que o PIB brasileiro encerre 2021 em 5,20%, maior que a estimativa divulgada em maio, de 3,7%. “O viés das expectativas nessa última semana era um PIB abaixo de 5% em 2021”, diz Lohmann. A projeção do mercado para 2021 é de 5,04%. Segundo o economista, em decorrência da crise hídrica e de problemas internos, as expectativas estão cada vez mais baixas para a atividade nos próximos dois anos.

Para alguns economistas, é possível atingir um crescimento acima de 2% no próximo ano. Segundo o economista-chefe da Infinity Asset, Jason Vieira, existe sim essa possibilidade, mas alerta que antes é preciso resolver um dos maiores problemas de contração da economia: a inflação. Caso as projeções com medianas mais suaves para o IPCA no próximo ano se concretizem, o mercado pode chegar a um ponto de equilíbrio. “É um cenário possível esse crescimento, mas boa parte das projeções do mercado neste curto prazo estão pesadas em razão do cenário pessimista em que o país está inserido, muito por conta do ruído político”, avalia

A visão dos analistas está pautada no próprio fundamento da política monetária adotada pelo governo, de contração. Com a inflação em alta, o Banco Central tem atuado no sentido de apertar a economia com a elevação da taxa básica de juros, a Selic. Segundo economistas, essa é uma das formas mais comuns para frear a economia na tentativa de controlar os preços. A expectativa do mercado é de elevação de 1 ponto percentual, de 5,25% para 6,25%, na quarta-feira, 22.

Relatório

De acordo com a OCDE, “a inflação dos preços ao consumidor nos países do G20 está projetada para atingir o pico no final de 2021 e desacelerar ao longo de 2022”. Entre os principais causadores dos picos inflacionários estão as commodities como petróleo e metais, e os preços dos alimentos, atingindo em especial os países emergentes, como o Brasil. Nesta quarta-feira, em discurso na Assembleia Geral da ONU, o presidente Jair Bolsonaro creditou a pressão inflacionária aos ‘lockdowns adotados por governadores e prefeitos para o combate à pandemia, ignorando a influência do câmbio e do problema hídrico na escalada dos preços.

Continua após a publicidade
Publicidade