Clique e assine a partir de 9,90/mês

OAS desiste de firmar acordo de leniência com a CGU

Empreiteira era uma das cinco que demonstraram interesse em firmar os acordos que viabilizariam sua volta ao rol de fornecedoras do governo

Por Ana Clara Costa - 28 Maio 2015, 07h52

Atualizada em 29/05/2015

A empreiteira OAS desistiu de levar adiante a assinatura dos acordos de leniência para voltar a prestar serviços ao governo. Sem o acordo, a empresa, que teve quatro executivos presos na Operação Lava Jato e entrou com pedido de recuperação judicial em março, deve ser considerada inidônea. Além da OAS, Engevix, SBM, Galvão Engenharia e Schahin Óleo e Gás negociavam o acordo com a Controladoria Geral da União (CGU). Até o momento, a OAS foi a única desistente.

O escritório de advocacia Mattos Filho cuidava das tratativas do acordo para a empreiteira. Porém, o site de VEJA apurou que o advogado responsável pela negociação dos termos da OAS com a CGU, Eduardo Munhoz, deixou o Mattos Filho e abriu, há pouco mais de duas semanas, uma banca própria – da qual a OAS não é cliente. Fontes próximas à empreiteira contam que os acordos deixaram de ser atrativos e que impedir a inidoneidade deixou de ser uma prioridade para a empresa. Seu endividamento estimado no plano de recuperação judicial é de 8,8 bilhões de reais.

Procurada, a OAS disse que não comentaria o assunto. A CGU não respondeu ao pedido de entrevista.

Continua após a publicidade

LEIA TAMBÉM:

OAS corta projetos e espera recuperação só em 2019

Como os acordos de leniência ditarão os rumos do petrolão

Petrobras vai participar de acordos de leniência com empreiteiras da Lava Jato

Continua após a publicidade
Arte Leniência
Arte Leniência VEJA

Dívida e calote – A OAS tem mais de vinte obras de infraestrutura no país – a maior parte conseguida por meio de contratos com estatais, com o governo federal e com governos estaduais. Se, em decorrência da Lava Jato, a construtora for declarada inidônea, ela perderá seu maior cliente, a União.

Desde o final do ano passado, a empresa tem dado o calote em credores de sua dívida. Por isso, foi rebaixada pelas agências de classificação de risco à categoria “junk”. Isso significa que os investidores que compraram títulos da empresa correm sério risco de não receberem de volta os rendimentos.

Atualmente, alguns fundos credores, como o Blackrock, estão vendendo os papéis da OAS no mercado secundário para fundos especializados em ativos podres, os chamados “fundos abutres” – os mesmos que detém boa parte da dívida da Argentina e hoje cobram um prêmio altíssimo para renegociá-la.

Publicidade