Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

MPE convoca diretor da TelexFree para audiência de conciliação

Nas redes sociais, circula convite para que os divulgadores recebam Carlos Costa no aeroporto de Rio Branco

Por Da Redação 6 nov 2013, 19h35

Carlos Roberto Costa, diretor da empresa TelexFree, investigada por formação de pirâmide financeira, anunciou na página da companhia no Facebook que participará, no dia 14 de novembro, de uma audiência de conciliação com o Ministério Público do Estado do Acre. Por essa razão, terá de se deslocar até Rio Branco, capital do estado, no dia 13.

Diante da ‘ilustre’ visita do empresário, os divulgadores da cidade e dos arredores estão organizando uma carreata para recepcioná-lo. Os convites têm circulado na internet, sobretudo no Facebook e no Twitter. Os divulgadores que organizam o ‘evento’ pretendem esperar Costa no aeroporto e acompanhá-lo em seus carros durante seu trajeto pela cidade.

Leia também:

Justiça autoriza BBom a voltar a operar

Megainvestidor aposta US$ 1 bi que a Herbalife é uma pirâmide

A Justiça estima que mais de 1 milhão de pessoas no país inteiro tenham se tornado “divulgadores” da TelexFree. A empresa teve suas operações paralisadas em junho, depois de uma decisão do Tribunal de Justiça do Acre. Uma força-tarefa de diversos Ministérios Públicos do país tem investigado, desde então, a atuação de empresas suspeitas de formação de pirâmide. Estima-se que mais de 80 empresas atuem de forma ilegal.

Continua após a publicidade

Leia ainda:

TelexFree entra com pedido de recuperação judicial

Pirâmide – O crime de pirâmide financeira se confunde, muitas vezes, com o modelo de marketing multinível, pois ambos trabalham com o conceito de agregar associados à rede de vendas. A diferença entre eles é que no segundo, legal, a remuneração dos associados e vendedores é atrelada ao volume de vendas e não ao número de associados novos angariados. O modelo de pirâmide é insustentável no longo prazo porque a base de potenciais associados fica, com o tempo, mais estreita – e a receita da companhia com a venda dos produtos não consegue ser suficiente para remunerar as comissões de todos os associados.

No caso da TelexFree, a principal empresa investigada, era comercializado um sistema de telefonia via internet, o VOIP (Voice Over Internet Protocol). Já no caso da BBom, que acaba de retomar suas operações, a inserção de novos integrantes na rede era feita sob a alegação de que eles seriam parceiros em um comércio de rastreadores, que, segundo a investigação, era de fachada.

Leia também:

Justiça determina que Telexfree assine carteira de trabalho de divulgador

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)