Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Moody’s muda perspectiva de nota brasileira para “negativa”

Rating do país continua em Baa2. Deterioração fiscal e economia fraca são explicações da mudança

Por Da Redação 9 set 2014, 12h04

A agência de classificação de risco Moody’s mudou a perspectiva da nota de crédito do Brasil de “estável” para “negativa”, refletindo a piora dos indicadores de risco dos títulos públicos do país. Isso quer dizer, na prática, que os analistas da agência diminuíram a confiança na capacidade de pagamento de dívida soberana do Brasil, na medida que aumenta a deterioração das contas públicas (política fiscal).

Entre janeiro e julho de 2014 foram economizados pelo setor público (Governo Central, estatais, Estados e municípios) apenas 24,7 bilhões de reais, menos da metade da cifra vista em igual período de 2013 (54,4 bilhões de reais). Além de ser o pior para o período desde o início da série histórica, em 2002, o resultado também está distante da meta de superávit primário para todo o ano, de 99 bilhões de reais, o equivalente a 1,9% do Produto Interno Bruto (PIB). Segundo dados do Banco Central, em 12 meses até julho a economia feita para pagamento de juros equivale a apenas 1,22% PIB – ou seja, falta ainda 0,68 ponto porcentual.

A desaceleração da economia, que entrou em recessão no segundo trimestre e a baixa confiança dos investidores também pesaram na decisão da Moody’s. “Esses ventos econômicos contrários representam desafios fiscais que impedem a reversão da tendência de baixo crescimento”, comenta a agência em relatório divulgado nesta manhã. No primeiro trimestre, o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro recuou 0,6%, depois de ter caído 0,2% (dados revisados) entre janeiro e março. Com isso, a economia brasileira entrou em recessão técnica, representada por dois trimestres consecutivos de queda do PIB.

Leia mais:

Investimento recua 11,2% no 2º trimestre e pesa sobre PIB

PIB do 2º trimestre faz Brasil voltar para lanterna dos Brics

Continua após a publicidade

A nota brasileira, Baa2, porém, continua mantida, apenas foi alterada a perspectiva, alegando que o país continua resiliente aos choques financeiros externos por seu colchão de reservas internacionais. O relatório cita ainda a vulnerabilidade limitada do balanço patrimonial do governo e os benefícios derivados da economia extensa e diversificada do Brasil.

A mudança para “negativa”, vale ressaltar, é o primeiro passo para que haja um rebaixamento da nota, também chamada de rating. Essas são importantes sinalizadores da confiabilidade de um país (qual o risco de um calote). Recentemente a Argentina teve seu rating rebaixado devido aos problemas de negociação e pagamento de dívidas.

Leia mais:

Fitch quer que próximo governo do Brasil ajuste políticas fiscais

S&P rebaixa ratings de nove bancos brasileiros

Em março, a agência de classificação de risco Standard and Poor’s (S&P) cortou a nota da dívida soberana brasileira para BBB-, de BBB. Em nota, ela explicou que “as ações contraditórias do governo, com implicações negativas para as contas públicas e a credibilidade da política econômica, somada às estimativas de desaceleração nos próximos dois anos, continuam a limitar a alternativas e o desempenho da economia brasileira”. A agência havia alterado para “negativa” a perspectiva da nota brasileira em junho do ano passado – e, desde então, o mercado especulava sobre o rebaixamento.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês