Clique e assine a partir de 9,90/mês

Montadoras dão férias coletivas a funcionários após produção cair

Segundo sindicatos, as unidades de São Caetano do Sul e de São José dos campos tiveram produção suspensa

Por Da redação - 15 fev 2017, 16h49

Após queda na produção de veículos em 2016, várias montadoras decidiram colocar parte de seus funcionários em férias coletivas. A General Motors (GM) vai suspender as atividades para cerca de 8.200 trabalhadores do setor de manufatura da unidade de São Caetano do Sul  entre os dias 7 e 26 de março. As informações são do Sindicato dos Metalúrgicos de São Caetano do Sul, que representa a categoria.

Cerca de 2.200 trabalhadores da empresa em São José dos Campos, da linha de produção da S10 e da Trailblazer, também estão parados desde o último dia 13 e permanecerão em férias até 2 de março, segundo o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos.

De acordo com o sindicato, a montadora disse, em reunião no último dia 8, que um dos motivos para a suspensão das atividades foi o cancelamento da exportação de 15.000 unidades da S10 para o México.

Na Ford, cerca de um terço dos trabalhadores de Taubaté, no interior de São Paulo ficarão parados entre os dias 1 e 10 de março, com retorno previsto para 13 de março. A unidade, que fabrica motores e transmissores, conta com aproximadamente 1.500 funcionários. A empresa vai conceder  também 21 dias de férias coletivas para cerca de 3.000 trabalhadores da fábrica de São Bernardo do Campo, no ABC paulista. Eles ficarão em casa de 6 a 31 de março.

Continua após a publicidade

A produção de veículos caiu 11,2% em 2016 em relação ao ano anterior, a 2.050.321 unidades, segundo a Associação Nacional dos. Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). A Ford teve queda de 30,5% no período, para  164.552 unidades, e a GM, de 8%, para 304.564. Porém, em janeiro de 2017, a Ford produziu 19,2% a mais que no mesmo mês do ano passado ( 12.591 unidades), enquanto a GM teve queda de 3% (24.329).

Procurada pela reportagem de VEJA, a GM não confirmou nem o período nem o número de funcionários afetados, e disse apenas que faz ajustes na produção. Sobre o cancelamento das vendas para o México, a empresa diz que não reconhece a veracidade das informações atribuídas a ela. A Ford disse em nota que o motivo da paralisação das atividades é a necessidade de ajustar à demanda do mercado.

Publicidade