Clique e assine a partir de 9,90/mês

Ministério da Economia monitora imagem de Paulo Guedes nas redes sociais

Relatórios mostram como panelaços e críticas contra o presidente afetaram a popularidade do “Posto Ipiranga” ao longo das últimas semanas

Por Thiago Bronzatto - Atualizado em 25 abr 2020, 16h24 - Publicado em 25 abr 2020, 16h18

O ministério da Economia está preocupado com a imagem de Paulo Guedes em meio às confusões do governo Bolsonaro. Desde quando a crise do coronavírus mudou o rumo do país e provocou uma pandemia política, a pasta tem feito um amplo monitoramento nas redes sociais. O levantamento, obtido por VEJA, foi encomendado a uma empresa especializada e avalia a postura do ministro sobre os seguintes temas: os panelaços contra Bolsonaro, a campanha para o governo pagar logo o coronavoucher, o sumiço de Guedes no Rio de Janeiro, o “erro de redação” em uma medida provisória, a credibilidade da fala do ministro e do presidente, entre outros temas.

De acordo com a pesquisa, um dos momentos mais críticos para a imagem do ministro ocorreu durante o panelaço contra Bolsonaro em março. A maior parte das publicações envolvendo a Covid-19 criticava a posição do presidente em relação à pandemia. “No geral, a imagem de Paulo Guedes ainda é fortemente associada à de Jair Bolsonaro, o que acaba por prejudicar sua figura diante da população. Ao criticar o governo de Bolsonaro, é comum ver as reclamações resvalando no ministro da Economia”, conclui o levantamento.

Outro assunto polêmico foi o sumiço de Guedes. No início da crise do coronavírus no Brasil, o ministro, que tem 70 anos de idade, ficou com medo de ser infectado pela doença, e viajou para o Rio de Janeiro, onde ficou confinado por alguns dias. Sem participar das principais reuniões em Brasília, o chefe da equipe econômica passou a ser alvo de especulações. “Isso tem causado um burburinho nas redes sociais sobre a sua possível saída do Ministério da Economia – o que ele negou”, destaca o relatório. “Também podem aumentar as comparações com ministros de governos anteriores e questionamentos sobre as ações que o ministério está desenvolvendo para reaquecer a economia”, complementa. Guedes logo retornou a Brasília, onde participou de um evento no Palácio do Planalto e explicou as principais medidas para combater a pandemia.

A disputa entre Guedes e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, também teve desdobramentos nas redes sociais. A disposição do Congresso em propor e votar medidas emergenciais despertou a simpatia de algumas pessoas. Por outro lado, segundo o levantamento, o fato de o ministro “ficar mais nos bastidores estava desagradando até mesmo os apoiadores do presidente Jair Bolsonaro”. O diagnóstico das críticas direcionadas ao ministro apontava que empresários, políticos, influenciadores e a população em geral esperavam que Guedes “assumisse as rédeas da economia brasileira e apresentasse propostas concretas”.

Continua após a publicidade

Entre os perfis monitorados pelo ministério da Economia está o do youtuber Felipe Neto, que encabeçou uma campanha entre artistas e outros influenciadores para pressionar o governo a liberar os 600 reais destinados a ajudar os trabalhadores informais. O movimento #PagaLogoBolsonaro entrou para os assuntos mais comentados do Twitter – e gerou críticas a Guedes. “Muitos reclamaram, por exemplo, que, se fosse pela equipe de Guedes, a ajuda financeira não passaria dos 200 reais. Outros avaliam que as proposições sugeridas pela pasta comandadas pelo ministro são morosas e não saem do papel”, conclui o relatório.

Guedes costuma dar uma enorme importância às redes sociais — que, de acordo com a sua visão, foram determinantes na eleição de Bolsonaro como presidente do Brasil. Embora ele não tenha um perfil oficial, o ministro da Economia gosta de ser inteirado da repercussão de suas falas no mundo virtual. Certa vez, ele ficou impressionado com um vídeo de manifestantes apoiando o seu nome durante a votação da reforma da previdência. Em outro momento, ele resolveu ser mais contundente na defesa da reforma administrativa, porque os seus apoiadores reagiram de forma positiva à ideia de cortar privilégios do serviço público. Os tempos agora são outros. O superministro enfrenta o desafio de tirar as suas propostas do papel enquanto tenta driblar as críticas virtuais que têm recebido.

Publicidade