Clique e assine com 88% de desconto

Milhares de gregos protestam contra cortes de gastos

Primeiro-ministro da Grécia, Antonis Samaras, não haverá mais medidas de austeridade para o país

Por Da Redação - 8 set 2012, 16h46

Milhares de manifestantes marcharam neste sábado nas ruas da cidade grega de Thessaloniki, no norte do país, marcando o primeiro protesto em massa contra as próximas medidas de austeridade do governo. De acordo com a polícia, mais de 15.000 pessoas participaram de cinco marchas diferentes convocadas por sindicatos e organizações de esquerda, enquanto mais de 3.000 policiais foram mobilizados em todo o centro da cidade para manter a ordem. Com a forte presença das autoridades, os protestos foram pacíficos, com os manifestantes gritando slogans contra os cortes e carregando faixas que traziam escrito: “Pare com as políticas neoliberais.”

Leia também

Grécia deve ficar na zona do euro, diz Angela Merkel

Alemanha admite que estuda cenário sem Grécia no euro

Publicidade

OIT: desemprego “catastrófico” se Grécia deixar o euro

Saída da Grécia do euro seria um fracasso da Europa, diz Espanha

As marchas são o primeiro teste real do sentimento popular desde que o governo de coalizão formado por três partidos assumiu o poder depois das difíceis eleições de junho. As manifestações também surgem num momento em que representantes da troica – um grupo formado por União Europeia (UE), Fundo Monetário Internacional (FMI) e Banco Central Europeu (BCE) – chegam a Atenas para negociar mais cortes dolorosos.

A troica se reúne neste fim de semana na capital grega para avaliar o progresso das reformas feitas pela Grécia e determinar se o país se qualifica para receber a próxima parcela de ajuda multibilionária. As negociações ocorrem após a pausa de verão e devem durar até o fim de setembro.

Publicidade

No topo da agenda, estarão os cortes orçamentários de 13,5 bilhões de euros (17,1 bilhões de dólares) que a troica exige que o governo grego faça em troca da última fatia de socorro no valor de 173 bilhões de euros. Tais reduções de gastos elevaram a taxa de desemprego na Grécia para um recorde de 24,4% em junho e reduziram o poder de compra dos assalariados para patamares que não eram vistos desde 2003.

Dados divulgados na sexta-feira mostraram que a economia grega no segundo trimestre do ano encolheu em um ritmo mais rápido que o esperado. O Produto Interno Bruto (PIB) do país teve contração de 6,3% na comparação anual. O dado foi pior que a queda de 6,2% apurada na estimativa de agosto. No primeiro trimestre, o PIB grego retraiu 6,5%.

Na manhã deste sábado, o primeiro-ministro da Grécia, Antonis Samaras, inaugurou a feira anual de comércio internacional na cidade de Thessaloniki, prometendo que não haverá mais medidas de austeridade no futuro. “Esses são os últimos cortes”, disse o premiê grego.

(Com Agência Estado)

Publicidade