Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Mercado espera PIB menor e inflação a 6,49% em 2015

Projeção de crescimento da economia recuou de 0,8% para 0,77%, segundo o BC. Há uma semana, mercado esperava IPCA de 6,45% para o ano que vem

Por Da Redação 1 dez 2014, 08h31

Os economistas ouvidos pelo Banco Central (BC) para o relatório Focus desta semana elevaram a expectativa para a inflação oficial no ano que vem. A média das projeções para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) passou de 6,45% para 6,49%. Já a estimativa para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2015 recuou de 0,8% para 0,77%. Para este ano, a projeção para a inflação se manteve em 6,43% e o esperado para o PIB registrou leve retração, de 0,2% para 0,19%.

Às vésperas da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do BC, o mercado manteve a estimativa de que a taxa básica de juros (Selic) subirá mais 0,25 ponto porcentual em dezembro, para 11,5%, mesma projeção da semana passada. A reunião do Copom deste mês começa na próxima terça e termina na quarta-feira (dias 2 e 3 de dezembro). Para 2015, o mercado manteve a projeção de 12% para a taxa básica de juros.

Leia mais:

Governo reduz projeção de PIB para 0,5% em 2014

Economia brasileira cresce 0,1% no terceiro trimestre

Congresso acelera votação de manobra fiscal do governo

A estabilidade das projeções ocorreu mesmo depois das sinalizações recentes dos porta-vozes da instituição. O presidente do BC, Alexandre Tombini, quando foi confirmado à frente do cargo no próximo governo de Dilma Rousseff (PT), repetiu que, por causa do atual cenário para a inflação, o BC se manterá “especialmente vigilante”. Dias antes, em Florianópolis, o diretor de Política Econômica do BC, Carlos Hamilton, afirmou que o Copom poderia recalibrar o aperto monetário caso considerasse oportuno.

Em relação ao câmbio, o relatório Focus mostrou poucas mudanças. A mediana das projeções para o dólar no fim de dezembro de 2014 foi mantida em 2,55 reais – há um mês, estava em 2,45 reais. Já para 2015, a cotação subiu de 2,65 reais para 2,67 reais de uma semana para outra – um mês antes estava em 2,55 reais.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade