Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Medidas do governo já surtem efeito no câmbio, diz Miriam Belchior

Segundo a ministra do Planejamento, a entrada e a saída de dólares nos primeiros vinte dias de abril praticamente empataram

Por Da Redação 26 abr 2011, 19h35

A ministra do Planejamento, Miriam Belchior, afirmou que as medidas adotadas pelo governo para controlar o câmbio começaram a surtir efeito para segurar a valorização do real. Ela usou dados de fluxo cambial divulgados pelo Banco Central para justificar sua afirmação. Segundo a ministra, nos primeiros vinte dias de abril, a entrada e a saída de dólares praticamente empataram. “Em janeiro, nós tivemos uma entrada maior que a saída de 14,4 bilhões de dólares. Em fevereiro, isso recuou para 8 bilhões de dólares; se manteve mais ou menos em março, com 9 bilhões de dólares; e até 20 de abril estamos empatando”, disse a ministra.

De fato, dados divulgados pelo BC nesta terça-feira mostram que o fluxo cambial em abril segue positivo, mas já recuou bastante. Até o dia 20, a entrada líquida foi de 133 milhões de dólares. Analistas do mercado, no entanto, continuam atentos à movimentação da moeda americana, desconfiados da eficácia das ações do governo – tendo em vista a desvalorização do próprio dólar no mercado internacional (decorrente das injeções de recursos do Tesouro americano na economia local) e o enorme diferencial de juros entre o Brasil e o mercado internacional.

Miriam afirmou que o Brasil foi pioneiro ao taxar o capital estrangeiro a partir de 2009 com o objetivo de combater ações especulativas. A ministra destacou que as medidas tomadas recentemente pelo governo para desacelerar a valorização do real ante o dólar não visam atingir o investimento direto, que também vem crescendo.

A ministra participa no Congresso Nacional de audiência conjunta das comissões de Orçamento, Finanças e Tributação e Desenvolvimento Urbano. Miriam repetiu na comissão a mesma apresentação feita pelo ministro da Fazenda Guido Mantega ao Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social.

(com Agência Estado)

Continua após a publicidade
Publicidade