Clique e assine a partir de 9,90/mês

Mantega chama empresários para debater o PIB

Ministro da Fazenda quer acompanhar de perto o desempenho da atividade econômica para confirmar expectativa de crescimento de até 4% neste ano

Por Da Redação - 6 mar 2013, 12h35

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, está otimista com o desempenho da economia brasileira neste ano, mas não custa ouvir o que o setor produtivo tem a dizer. Para confirmar ou contradizer o cenário da equipe econômica do governo, que prevê uma expansão entre 3% a 4% do Produto Interno Bruto (PIB), Mantega receberá nesta quarta-feira em seu gabinete pesos pesados da economia e os presidentes de seis confederações patronais.

Depois do fraco crescimento do PIB em 2012, a intenção é fazer um balanço dos setores no primeiro bimestre, apresentar as perspectivas para o restante do ano e traçar uma estratégia para impulsionar a atividade industrial neste ano. É uma tentativa de evitar que 2013 repita o pífio crescimento de 0,9% do ano passado.

O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Andrade, confirmou presença. O setor manufatureiro teve queda na produção no ano passado e registrou contribuição negativa de 0,8% para o PIB de 2012. Também estará presente a presidente da Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), a senadora Kátia Abreu (PSD-TO). O setor foi o que levou o maior tombo no ano passado: 2,3%.

Já os Serviços sustentaram o pequeno crescimento do País em 2012, com uma alta de 1,7% na comparação com o ano anterior. Dessa área, estão previstas as presenças, além da confederação do setor e do comércio, de representantes de instituições financeiras e dos transportes.

Continua após a publicidade

Leia também:

2012, o ano em que o PIB do Brasil não aconteceu

PIB de 2012 confirma queda do Brasil no ranking das maiores economias

Continua após a publicidade

O convite ao setor privado mostra o interesse do governo em uma reaproximação com os empresários brasileiros. Frequentadores assíduos de Brasília durante o governo Lula, executivos e donos de companhias queixavam-se do afastamento na gestão de Dilma Rousseff. Desde o fim do ano passado, a presidente vem fazendo a reaproximação com empresários.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade