Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Manifestações nos EUA ou Bolsonaro: o que gera maior tensão no mercado

Estados Unidos em chamas por assassinato de George Floyd faz investidores mirarem emergentes, mesmo com o caos generalizado que toma conta de Brasília

Por Victor Irajá Atualizado em 4 jun 2024, 14h24 - Publicado em 2 jun 2020, 17h54

Napoleão III, sobrinho de Napoleão e primo de Napoleão II, após dar um autogolpe, proclamou o Segundo Império Francês em dezembro de 1852. Durante seu reinado, encerrado em 1870 com a sua captura que deu início à guerra Franco-Prussiana, ele trabalhou para modernizar a economia nacional, reconstruir o centro de Paris e expandir o império além-mar. Pois bem, se ele tentou de fato, não conseguiu. A especulação financeira em torno da bolsa de Paris transformou o mercado financeiro do país em uma bolha de corrupção e especulação desenfreada. O romancista Alexandre Dumas (1802—1870) ironizou à época: “os negócios são o dinheiro dos outros”. Esta frase poderia estar publicada em qualquer editoria de Economia dos jornais desta terça-feira, 2.

Entre os riscos da pandemia do novo coronavírus, da instabilidade política causada pela gestão controversa do presidente Jair Bolsonaro e das manifestações que se avolumam nos Estados Unidos, a especulação ganhou força nesta semana. Os movimentos dos mercados ficam cada vez mais confusos à medida que grandes bancos internacionais doutrinam as variações das moedas e das bolsas mundo afora. Por isso, o dólar perdeu força em relação ao real pelo segundo pregão consecutivo e fechou o dia cotada a 5,20 reais, o menor valor desde o dia 14 de abril, quando a pandemia de Covid-19 começava a esgueirar-se pelo país. Os investidores seguiram as recomendações de grandes instituições bancárias norte-americanas de apostar contra o dólar, pela crescente incerteza envolvendo os protestos locais em decorrência do brutal assassinato de George Floyd — um americano negro, de 46 anos — no último dia 25 de maio. A indignação popular e as marchas contra o racismo tiraram o seguríssimo investimento em moeda americana do radar dos investidores. Uma das maiores instituições bancárias do país, o Goldman Sachs apostou na queda da moeda americana em decorrência da falta de estabilidade e a abertura das economias na Europa. 

ASSINE VEJA

As consequências da imagem manchada do Brasil no exterior O isolamento do país aos olhos do mundo, o chefe do serviço paralelo de informação de Bolsonaro e mais. Leia nesta edição ()
Clique e Assine

Mesmo com as posições desastrosas do presidente Jair Bolsonaro em relação ao controle da pandemia, o Bank of America (BofA) emitiu um comunicado aos acionistas recomendando o investimento em reais no último dia 28 de maio, acreditando em uma reação rápida da economia brasileira passada a pandemia. A divulgação de dados pessoais do presidente, de seus filhos Carlos, Eduardo e Flávio Bolsonaro, e dos ministros Abraham Weintraub, da Educação, e Damares Alves, da Família e Direitos Humanos, tirou um pouco do apetite do mercado pelo Brasil, o que não impediu que a moeda continuasse seu ciclo de baixa. A guerra das narrativas acompanhada com lupa pelos investidores deu fôlego para Bolsonaro. Neste round da pancadaria retórica generalizada que toma conta de Brasília e dos governos estaduais, a interpretação de que o presidente adotou o papel de vítima potencializou a percepção, ao menos temporária, de que ele se segura no cargo — e tudo o que os mercados mais gostam é de estabilidade. “O mercado já vinha sendo otimista em relação ao Brasil e a revelação dos dados pessoais deu mais força para o Bolsonaro e para o governo”, diz Mauriciano Cavalcante, diretor de câmbio da Ourominas.

Os protestos ocorridos no domingo contra o governo do presidente não refletiram tanto no mercado de câmbio, mas principalmente porque a situação nos Estados Unidos parece muito mais grave do que no Brasil em relação ao ânimo dos manifestantes, que passaram a tomar as ruas por pautas distintas, como a defesa da democracia e o combate ao racismo. Mas, é claro, não são apenas as questões políticas que impulsionam a, digamos, boa vontade do mundo em relação à moeda brasileira. A confiança em empresas brasileiras sólidas, listadas na Bolsa de Valores de São Paulo, a B3, como a Via Varejo, detentora de marcas como as Casas Bahia, e os bancos impulsionam o mercado futuro, atraindo dinheiro estrangeiro para a economia brasileira. A crise política, aponta o BofA, é um dos fatores preocupantes para a retomada da economia brasileira, além do descontrole da pandemia em território brasileiro.

A alta do Ibovespa, que retomou os 90 mil pontos (patamar perdido em março) no pregão desta terça, e a valorização do câmbio, porém, são artificiais — e, como vaticinou Dumas, proveniente do “dinheiro dos outros”. O mercado não está otimista. “Os bancos centrais injetaram 15 trilhões de dólares nos mercados e, é claro, a soma das bolsas subiu. É uma alta financeira, de volume, não econômica”, afirma Pablo Spyer, diretor da corretora Mirae. A especulação por parte dos investidores e a incerteza política envolvendo os Estados Unidos podem beneficiar o Brasil, que, infelizmente, caminha para o triste marco de epicentro da pandemia global do coronavírus. Os especialistas são claros neste ponto. O fator que permite o mercado brasileiro respirar se dá pelo cenário externo caótico, e não por conta de um arrefecimento do caos que engolfa o país. As apostas circundam o cenário de que o dólar vai se desvalorizar frente a todas as moedas do mundo. Isso já aconteceu na segunda-feira, 1º, com todos os emergentes. “A valorização nos outros países é maior do que a do real, que teve uma valorização mais neutra por causa de questões locais”, diz Spyer. Com o centro financeiro do mundo em polvorosa, as faíscas brasileiras têm menos poder de causar incêndios.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.