Clique e assine a partir de 9,90/mês

Coronavírus: SP bate recorde de mortes, mas governo fala em desaceleração

Apesar da alta, especialistas de economia e saúde apontaram que a doença está em patamar mais lento que o aferido em semanas anteriores

Por Mariana Rosário - Atualizado em 2 Jun 2020, 14h10 - Publicado em 2 Jun 2020, 13h42

O Estado de São Paulo registrou nas últimas 24 horas o recorde de 327 mortes em decorrência do novo coronavírus, apontou levantamento da Secretaria de Saúde divulgado nesta terça-feira, 2. O maior número até então tinha sido medido em 19 de maio, quando foram registrados 324 vítimas fatais. O número de casos também sofreu uma alta histórica: 6.999 registros no mesmo período.

ASSINE VEJA

As consequências da imagem manchada do Brasil no exterior O isolamento do país aos olhos do mundo, o chefe do serviço paralelo de informação de Bolsonaro e mais. Leia nesta edição
Clique e Assine

Apesar dos dados, o Governo do Estado de São Paulo preferiu destacar, durante uma coletiva de imprensa desta terça, que detectou uma desaceleração no aumento de casos de Covid-19 em todo o Estado. Foi informado que ainda há casos novos, mas que eles surgem em ritmo menos acelerado. O grupo apontou que na primeira quinzena de maio, o avanço de registros em relação ao período anterior chegava a 93%. Já na segunda quinzena de maio, o crescimento registrado foi de 87,5%. Ou seja, 5,5 potos percentuais a menos do que antes. No caso dos óbitos, também houve retração, de 80% de aumento na primeira quinzena de maio para 69% na segunda quinzena.

Outro item pontuado pelas equipes de saúde e economia foi a retração na taxa de ocupação de leitos, que chegou a 73,5%. Na Grande SP, essa ocupação chega a 85,3%. A capacidade foi ampliada diante da chegada de novos ventiladores mecânicos.

A secretária de Desenvolvimento Econômico, Patricia Ellen afirmou que é preciso um “cuidado” na análise de casos. “Não podemos tomar nenhuma decisão com base nos indicadores de um dia. Nem para baixo, nem para cima. O trabalho do plano (SP) está sendo feito para olhar tendências”, disse. Ela ainda afirmou que o Centro de Contingência em Saúde pediu que considerassem dados consolidados de 14 dias. “Vamos acompanhar a tendência”, disse. Patrícia ainda afirmou que, caso os indicadores piorem, não haverá problema em retroceder em medidas de flexibilização.

Continua após a publicidade

Panorama do Estado

Ao todo, são 118.295 diagnósticos positivos, com 7.994 óbitos. Estão internados nos hospitais quase 12.000 pacientes, cerca de 7.500 em enfermarias e 4.500 em UTIs.

Também foi oferecido um dado panorâmico sobre a administração de leitos do SUS. De acordo com a pasta da Saúde, 1.071 leitos da rede foram reservados para cuidados intensivos de Covid-19 em todo o Estado de São Paulo. Além disso, todo o SUS implantou 3.622 novos leitos, um aumento de 105% em relação à rede existente antes da pandemia. Há ainda a possibilidade de incluir mais 1.604 leitos em toda a região paulista, caso necessário.

Publicidade