Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Malaysia Airlines planeja gastar US$ 2 bi para reestruturar sua operação

Companhia aérea vítima de duas quedas de avião num intervalo de menos de um ano pretende cortar um terço de seu quadro de funcionários e interromper operações em rotas não lucrativas

Por Da Redação 29 ago 2014, 18h53

O governo da Malásia planeja gastar até 6 bilhões de ringgits (1,9 bilhão de dólares) para reformular a Malaysia Airlines. A empresa aérea pretende cortar quase um terço de seu quadro de 20 mil funcionários e parar de operar em rotas não lucrativas. O objetivo é se recuperar dos prejuízos sofridos com a perda de dois aviões neste ano. Como parte da reestruturação, a companhia também vai fechar seu capital, informou, em comunicado, a empresa estatal de investimentos Khazanah Nasional, que controla cerca de 70% da Malaysia Airlines.

No final do ano deverá ser nomeado um novo diretor-geral. O atual, Ahmad Jauhari Yahua, continuará em seu posto até julho de 2015 para garantir uma transição gradual. “Os recentes eventos trágicos e as dificuldades atuais da Malaysia Airlines criaram a tempestade perfeita que está permitindo que essa reestruturação aconteça”, disse o diretor-gerente do Khazanah, Azman Mokhtar, para repórteres em Kuala Lumpur.

Leia também:

Queda de avião na Ucrânia pressiona mercados internacionais

Vídeos mostram local da queda de avião da Malaysia Airlines na Ucrânia

Cronologia: avião desaparecido da Malaysia Airlines

Em grandes dificuldades desde 2011, a companhia aérea duplicou suas perdas no segundo trimestre deste ano depois do desaparecimento, em 8 de março, de um de seus voos que fazia o trajeto entre Kuala Lumpur e Pequim. Na ocasião, 239 passageiros morreram. Outro voo comercial foi abatido com 298 pessoas a bordo em 17 de julho no leste da Ucrânia. No total, a empresa perdeu mais de 900 milhões de euros (1,3 bilhão de dólares) em três anos.

(Com Reuters, AFP e Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade