Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Luz e água mais caras mantêm em alta inflação de serviços

Com o repasse das altas dos preços administrados, custo de serviços, como cabeleireiros e restaurantes, só deve recuar em 2016, prevê consultoria

Por Da Redação 5 jun 2015, 11h10

A disparada das tarifas vem punindo duplamente o bolso do brasileiro este ano. Além de já ter imposto um gasto adicional de quase 50% entre janeiro e maio na conta de luz na cidade de São Paulo, a alta de preços de outros itens importantes como água e combustíveis deve adiar para 2016 a desaceleração da inflação de serviços. O movimento ocorre apesar da retração no ritmo de atividade econômica e da demanda, que poderia brecar reajustes de preços dos serviços já neste ano.

Um estudo feito pela Tendências Consultoria Integrada mostra o tamanho do estrago que as tarifas devem provocar na inflação de serviços. O levantamento aponta que a inflação de serviços – como cabeleireiros, restaurantes, lavanderias e hotéis, por exemplo -, que encerrou o ano passado acumulando alta de 8,3%, recuaria este ano para 7,1%. Com as pressões das tarifas, porém, a inflação dos serviços deve ficar praticamente estacionada e fechar 2015 em 8%, diz a consultoria.

“A expectativa de inflação desancorada e o choque de preços administrados vão retardar a desaceleração da inflação de serviços”, diz a economista Alessandra Ribeiro, sócia da Tendências, que projeta alta menor, de 6,5%, para a inflação de serviços só em 2016. Segundo ela, com a expectativa de inflação geral medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) na casa de 5,5% para o ano que vem – um ponto porcentual acima do centro da meta -, segundo pesquisa do Boletim Focus do Banco Central (BC), aumentaram os obstáculos para uma desaceleração mais significativa dos preços dos serviços neste ano.

Leia mais:

Apertem os cintos, o crédito sumiu!

Continua após a publicidade

Mercado eleva pela 5ª vez seguida previsão de inflação em 2015

BC: Avanços no combate à inflação ainda não são suficientes

O economista Fábio Romão, da LCA Consultores, faz uma avaliação sobre a inflação de serviços semelhante à da Tendências, porém com intensidade diferente. “A desaceleração dos serviços vai ocorrer ainda este ano. Mas a grande perda de fôlego deve acontecer em 2016, quando a inflação desse grupo pode chegar perto de 7% “, prevê Romão. Para 2015, o economista projeta alta de 7,7% da inflação de serviços.

Nesse jogo de forças, um fator crucial, diz Romão, é o desempenho do mercado de trabalho. A expectativa para este ano é de uma queda de 1,2% na renda, descontada a inflação do período. Será a primeira retração real no rendimento em dez anos. A última vez que a renda caiu em termos reais foi em 2004 e coincidentemente o recuo também foi de 1,2%.

Neste ano, o cenário também não é favorável para o emprego. A LCA projeta que a taxa média de desemprego, que foi 4,8% no ano passado, suba para 6% ou mais em 2015.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade