Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Lagarde vê sinais de estabilização da economia mundial

Por Ronaldo Schemidt
18 mar 2012, 10h29

A diretora gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, afirmou neste domingo em Pequim que a economia mundial mostra “sinais de estabilização”, apesar das dificuldades para enfrentar algumas “fragilidades”.

“Os últimos anos foram extremamente difíceis em muitos lugares do mundo. E nos últimos meses, a situação era inclusive sombria”, afirmou no Fórum de Desenvolvimento da China, que reuniu no fim de semana em Pequim empresários e investidores de várias partes do mundo, além de autoridades chinesas.

“Vemos hoje novos sinais de estabilização, sinais de que as políticas aplicadas dão frutos. As condições dos mercados se distenderam e os indicadores econômicos recentes começam a melhorar, inclusive nos Estados Unidos”, completou Lagarde.

Lagarde também destacou os “avanços importantes com o renovado apoio à Grécia do FMI e seus sócios europeus”.

Continua após a publicidade

“Depois deste esforço coletivo, a economia mundial não está mais à beira do precipício e temos razões para ser otimistas”, insistiu Lagarde.

A diretora do FMI ressaltou, no entanto, que ainda existem “fragilidades econômicas e financeiras maiores a enfrentar”, como a fragilidade persistente dos sistemas financeiros, um endividamento público e privado que continua sendo muito importante em muitas economias desenvolvidas ou preços do petróleo muito elevados.

Além disso, Lagarde afirmou que a China deve “continuar reorientando os motores do crescimento econômico, os investimentos e as exportações para o consumo interno”, com o objetivo de compartilhar os frutos do crescimento.

Continua após a publicidade

O vice-premier chinês Li Keqiang, que para muitos analisas substituirá no próximo ano o atual primeiro-ministro Wen Jiabao, insistiu na necessidade de reequilibrar o crescimento do gigante asiático para uma demanda interna maior.

“Temos que utilizar projetos de ajuda social como vetores de crescimento”, declarou Li.

Uma proposta que foi respaldada pelo secretário-geral da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômicos (OCDE), Angel Gurría, para quem mais gastos sociais na China seriam bons para o crescimento porque a população teria a “tendência de consumir mais”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.