Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Juro ao consumidor é o menor desde 1995, diz Anefac

Por Francisco Carlos de Assis

São Paulo – Aos poucos, o consumidor vai percebendo os efeitos da redução da taxa básica de juros (Selic), iniciada pelo Banco Central em agosto do ano passado, sobre as operações de crédito. Pesquisa feita pela Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac) mostra que em maio a taxa de juros média mensal para pessoa física recuou 0,07 ponto porcentual na comparação com abril, passando de 6,25% para 6,18% ao mês e de 106,99% para 105,36% ao ano. É a menor taxa média desde 1995, início da série histórica do levantamento das taxas para pessoa física.

No segmento de pessoa física, as operadoras de cartão de crédito mantêm a taxa média de juros inalterada em 10,69% desde maio do ano passado. A taxa média do cheque especial caiu de 8,28% em abril para 8,24% em maio, mas ainda está acima dos 8,12% de maio de 2011.

“As taxas de juros das operações de crédito foram novamente reduzidas em maio, sendo esta a quarta queda no ano das taxas de juros para pessoa física e a quinta redução das taxas para pessoa jurídica”, afirma a Anefac, em nota distribuída à imprensa.

Para a associação, a queda pode ser atribuída à redução da Selic, especialmente à redução de 0,50 ponto porcentual (de 9% para 8,50%) na passagem de abril para maio. Também entra como fator de estímulo à queda da taxa de juros na ponta a maior competição no sistema financeiro provocada pelos bancos públicos.

Para as pessoas jurídicas, a pesquisa da Anefac registrou uma queda 0,09 ponto porcentual na taxa média geral de juros, que passou de 3,63% ao mês em abril para 3,54% em maio – ao ano, a taxa baixou de 53,40% para 51,81%. Esta é a menor taxa média de juros na série histórica para pessoa jurídica, iniciada em 1999.

Neste segmento, os juros médios sobre as operações de crédito para capital de giro ficaram em 2,01%, abaixo dos 2,16% de abril e dos 3,14% de maio do ano passado. A conta garantida, que é o cheque especial dos empresários, teve a taxa de juros média mensal reduzida de 6,05% em abril para 6,02% em maio, mas ainda elevada se comparada com os 5,74% de maio do ano passado.