Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

J&F contrata banco para mediar negociações com BNDES

A controladora da JBS tenta adiar por 90 dias a assembleia de acionistas, marcada para sexta-feira

Por Da redação Atualizado em 29 ago 2017, 12h10 - Publicado em 29 ago 2017, 12h05

A J&F, controladora da JBS, contratou o BR Partners Banco de Investimento para mediar conversas com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que busca afastar o empresário Wesley Batista da presidência da companhia, informa a agência Reuters.

A holding J&F Investimentos incumbiu o BR Partners de negociar a suspensão da assembleia extraordinária de 1º de setembro, na qual investidores da JBS decidirão sobre a saída de Wesley Batista do cargo de presidente. O acordo seria para adiar a reunião por 90 dias.

Um acordo de leniência firmado em maio que expôs a propensão da família Batista a subornar políticos levou o braço de investimentos do BNDES, o BNDESPar, a buscar a saída do executivo da JBS.

O banco público atribui a queda das ações da JBS neste ano à conduta da família Batista. Até a véspera, as ações da JBS acumulam perda de 20% no ano, apesar do ganho acumulado no mês de agosto de 18%.

O movimento ocorre depois de o BNDESPar pedir à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) que impeça os Batista de votar na assembleia – a família detém uma fatia de 42% na JBS.

Continua após a publicidade

Quase uma dúzia de executivos de bancos, acionistas e membros da empresa que pediram condição de anonimato disseram à agência Reuters estarem céticos em relação ao argumento da família Batista de que é capaz de concluir duas vendas de ativos e abrir o capital de sua subsidiária nos Estados Unidos no ano que vem.

O BR Partners se recusou a comentar, enquanto um porta-voz da J&F não estava imediatamente disponível para comentário. O BNDESPar não quis se manifestar sobre a assembleia. As fontes pediram para não serem identificadas porque as negociações são confidenciais.

Conselho consultivo

Em nota enviada ao mercado, a JBS informou que a subsidiária nos Estados Unidos criou um conselho consultivo independente para apoiar a sua administração em assuntos relacionados a governança corporativa, assuntos regulatórios e governamentais, gerenciamento de riscos e marketing.

A JBS USA inclui as operações da companhia nos Estados Unidos, Canadá, México, Austrália e Nova Zelândia, representando mais de 75% do faturamento global da JBS.

“A criação do conselho consultivo da JBS USA reforça o compromisso da JBS com o crescimento futuro e evolução global da companhia,” comentou em nota Wesley Batista, CEO Global da JBS.

(Com Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)