Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Japão mantém juros em zero para estimular economia

País asiático tenta resistir aos efeitos da desaceleração econômica no exterior

Por Da Redação 21 dez 2011, 04h21

O Banco do Japão (BOJ) decidiu nesta quarta-feira manter a taxa de juros entre 0% e 0,1%, nível em que está há mais de um ano, e advertiu que a recuperação econômica está “em pausa” devido à desaceleração econômica mundial.

Ao término de uma reunião de dois dias, a junta do banco central japonês decidiu manter os juros em baixíssimo nível para estimular a atividade econômica do país e resistir aos efeitos da “desaceleração nas economias estrangeiras e da apreciação do iene”. Segundo o BOJ, a demanda doméstica continua com uma “tendência de recuperação moderada”, enquanto o consumo privado “permaneceu firme”.

A instituição, no entanto, demonstrou preocupação com as exportações e a produção, que se mantiveram “mais ou menos planas” devido aos efeitos da desaceleração no exterior, da persistente valorização do iene, que afeta especialmente os exportadores, e das inundações na Tailândia. Mais de 400 empresas japonesas com atividades no país foram afetadas pelas recentes inundações que deixaram 740 mortos e milhões de afetados.

O BOJ indicou que “espera que a economia japonesa retorne ao caminho da recuperação moderada” com a retomada das economias no exterior, empurradas pelas emergentes e os exportadores de matérias-primas. A instituição também considera que a economia começará sua recuperação moderada à medida que vá se “materializando gradualmente” a demanda relacionada com os trabalhos de reconstrução das zonas devastadas pelo terremoto e o tsunami de março.

Incerteza fora das fronteiras – Por outro lado, ressaltou que a crise de dívida soberana na Europa pode debilitar o crescimento não só nas economias europeias, mas também na economia global. Quanto à economia americana, a entidade prevê a “possibilidade de a desaceleração se prolongar”, e advertiu que é necessário continuar prestando “uma cuidadosa atenção” sobre como a economia japonesa pode ser afetada pela incerteza financeira fora de suas fronteiras.

O BOJ ressaltou, além disso, o compromisso de manter a taxa de juros virtualmente em zero até alcançar uma estabilidade de preços a médio e longo prazo.

A entidade manteve também seu programa de compra de ativos criado em 2010, o qual ampliou no mês passado para 55 trilhões de ienes (US$ 690 milhões), com o objetivo de injetar liquidez ao sistema e estimular o crescimento. Para que a economia do Japão possa superar a deflação e retornar ao caminho do crescimento sustentado, o BOJ contribuirá “mediante a aplicação de uma poderosa flexibilização monetária para assegurar a estabilidade dos mercados financeiros”.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês