Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

IPC-S desacelera na 1a quadrissemana de fevereiro

Por Da Redação 8 fev 2012, 07h52

Por Vivian Pereira

SÃO PAULO, 8 Fev (Reuters) – A inflação pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) desacelerou a 0,46 por cento na primeira quadrissemana de fevereiro, após alta de 0,81 por cento na quarta quadrissemana de janeiro, com menores custos com educação e uma queda mais forte nos preços de vestuário, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta quarta-feira.

No mesmo período de fevereiro do ano passado, o IPC-S havia mostrado acréscimo de 1,16 por cento.

O grupo Educação, Leitura e Recreação respondeu pela maior contribuição para o resultado geral do índice no período, com a variação de preços caindo de 4,90 por cento para 2,72 por cento e o item cursos formais (de +8,16 por cento para +5,37 por cento) ainda refletindo o reajuste de mensalidades escolares de janeiro.

Também favoreceram o resultado do indicador os grupos Transportes (de +0,86 por cento para +0,46 por cento); Habitação, passando de alta de 0,33 por cento para acréscimo de 0,27 por cento; Alimentação (de +0,47 por cento para +0,24 por cento) e Saúde e Cuidados Pessoais, cujos preços desaceleraram a alta de 0,44 por cento para 0,33 por cento.

O grupo Vestuário intensificou o ritmo de queda, para 0,53 por cento na primeira leitura deste mês, ante deflação de 0,35 por cento na quarta quadrissemana de janeiro.

Continua após a publicidade

As maiores influências negativas individuais no IPC-S no período foram de tarifa de táxi (-5,84 por cento), perfume (-1,43 por cento), pão francês (-1,70 por cento), vestido e saia (-3,06 por cento), e automóvel usado (-0,63 por cento).

Já as maiores influências positivas partiram dos itens tarifa de ônibus urbano (+2,47 por cento), curso de ensino superior (+4,47 por cento) curso de ensino fundamental (+6,30 por cento), aluguel residencial (+0,61 por cento), refeição em bares e restaurantes (+0,37 por cento).

O IPC-S da primeira quadrissemana de fevereiro foi o primeiro a ser calculado com base na nova estrutura de ponderação apurada a partir da Pesquisa de Orçamento Familiar (POF) de 2008/2009 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). As leituras anteriores foram orientadas por Pesquisas de Orçamentos Familiares realizadas pela própria FGV.

A POF é um tipo de levantamento que tem por objetivo recolher informações sobre gastos e rendimentos de uma população de famílias de modo a permitir a elaboração de estruturas médias de consumo.

Tais estruturas, denominadas “cestas” de bens e serviços, são utilizadas como pesos na determinação de índices de preços ao consumidor. Periodicamente, esses pesos são atualizados para refletirem de maneira mais fiel os hábitos de consumo das famílias.

O IPC-S mede a evolução dos preços de bens e serviços para famílias com renda entre um e 33 salários mínimos mensais e residentes nos municípios de Recife, Salvador, Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Brasília e Porto Alegre.

Apesar da coleta ser semanal, a apuração das taxas de variação leva em conta a média dos preços coletados nas quatro últimas semanas até a data de fechamento.

Continua após a publicidade
Publicidade