Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Inflação fecha 2014 muito próxima do limite aceitável

IPCA registrou alta de 6,41% em 12 meses até dezembro, puxado por preço de alimentos e energia elétrica. Teto da meta oficial é de 6,5%

(Atualizado às 13h50)

O que é?

O IPCA é considerado o índice oficial de inflação. É calculado com base nos gastos de famílias com rendimentos mensais entre 1 e 40 salários mínimos residentes em 12 regiões metropolitanas.

A diferença em relação ao IPCA-15, considerado prévia da inflação, está no período de coleta dos preços e na abrangência geográfica (não mede as variações de preços em Vitória nem Campo Grande).

Por muito pouco a inflação não estourou o teto da meta em 2014. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 6,41% em 12 meses até dezembro, apenas 0,09 ponto porcentual menor do que o limite considerado ‘aceitável’ pelo governo. A meta oficial é de 4,5%, mas os limites da banda vão de 2,5% (mínimo) a 6,5% (máximo). De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a taxa do ano passado é superior à vista em 2013, de 5,91%.

Apenas em dezembro, o IPCA subiu 0,78%, ficando acima da taxa de 0,51% registrada em novembro. Ela também foi a segunda maior taxa mensal do índice no ano passado todo, superada apenas pela inflação em março, que chegou a 0,92%.

O IPCA-15, considerado o índice prévio da inflação e divulgado há duas semanas, já havia sinalizado que o IPCA cheio poderia ficar bem próximo ao teto da meta, ainda que abaixo dele. O IPCA-15 acumulou alta de 6,46% em 12 meses até dezembro.

Leia também:

Inflação do aluguel fecha 2014 em 3,69% – menor taxa em 5 anos

Tombini diz que inflação subirá ainda mais no 1º trimestre de 2015

O mercado financeiro acredita que o Comitê de Política Econômica (Copom) do Banco Central vai elevar mais uma vez os juros já na primeira reunião do ano que acontece nos dias 20 e 21 de janeiro. Hoje a Selic está em 11,75%. O próprio presidente do BC, Alexandre Tombini, afirmou no fim do ano passado que a inflação acumulada em 12 meses tende a permanecer elevada em 2015.

Economistas acreditam que já em janeiro, mês tradicionalmente de preços elevados, a inflação deve ultrapassar o teto da meta. A Tendências Consultoria, por exemplo, projeta uma inflação de 1,3%, na comparação mensal, com o acumulado em 12 meses ficando em torno de 7%. “O IPCA deve ficar acima do teto da meta ao longo de quase todo ano”, afirmou a economista Adriana Molina. “Haverá piora das expectativas e o aumento da indexação da economia”, acrescentou.

Em audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, Tombini reforçou que a inflação tende a permanecer elevada no próximo ano e que o BC trabalha para fazer com que ela retorne “o mais rápido possível à trajetória de convergência para a meta” até o final de 2016.

Leia ainda: Em última reunião do ano, Copom eleva Selic para 11,75%

Diretor do BC sinaliza continuidade de aperto monetário

Pesos – Os grupos Alimentação e Bebidas e Habitação foram os que mais puxaram os preços do IPCA para cima em 2014. Juntos, foram responsáveis por 51% do IPCA do ano, somando 3,24 pontos porcentuais dos 6,41% do índice cheio.

No caso do primeiro, que suga 24,86% do orçamento das famílias brasileiras, os produtos consumidos em casa subiram 7,10%, enquanto a alimentação fora de casa ficou 9,79% mais cara. Vale destacar que as carnes subiram 22,21% no ano passado.

No grupo Habitação o destaque foi para a energia elétrica. Segundo o IBGE, as contas de luz subiram, em média, 17,06% nas regiões pesquisadas, ante queda de 15,66% em 2013. Em 2014, a variação chegou a 28,76% na região metropolitana de Belém e 28,18% em Vitória.

Variação da inflação
Grupo 2013 2014
Alimentação e Bebidas 8,48% 8,03%
Habitação 3,40% 8,80%
Artigos de Residência 7,12% 5,49%
Vestuário 5,38% 3,63%
Transportes 3,29% 3,75%
Saúde e Cuidados Pessoais 6,95% 6,97%
Despesas Pessoais 8,39% 8,31%
Educação 7,94% 8,45%
Comunicação 1,50% -1,52%
Variação da inflação

IBGE