Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Inflação de imóveis desacelera em setembro

Segundo levantamento da FipeZap, o preço médio das 20 cidades pesquisadas subiu 0,55% ante 0,68% em agosto

Por Da Redação 3 out 2014, 10h51

Depois da forte alta de preços dos últimos anos, o mercado imobiliário passa por um fase de ajuste. Segundo o Índice FipeZap Ampliado, elaborado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), a alta do preço médio anunciado do metro quadrado nas 20 cidades pesquisadas foi de 0,55% entre agosto e setembro. A medição anterior mostrou avanço de 0,68% em agosto em comparação com julho. A inflação, de acordo com projeção de economistas para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), deve ser de 0,43%.

O índice mensal revela que, nos primeiros nove meses do ano, o preço do metro quadrado do imóvel pronto, a maioria usado, subiu em média 5,40% – quase um ponto porcentual acima da inflação esperada para o período, segundo o boletim Focus, do Banco Central. No entanto, no acumulado em 12 meses, a variação acumulada, de 9,16%, é a menor desde 2011 e desacelerou pela décima vez consecutiva.

“Temos caminhado em uma valorização próxima à inflação nos últimos meses, e isso não nos surpreende”, diz Eduardo Schaeffer, presidente do Zap. “Neste ano, a Copa represou um pouco as transações. Depois, vimos que os negócios estão acontecendo em ritmo menos acelerado”, diz.

Para o fim do ano e para 2015, ele afirma que o mercado deve continuar num ritmo parecido ou um pouco mais lento. Um dos motivos é o grande número de lançamentos imobiliários neste segundo semestre. “Tudo aquilo que as incorporadoras aceleraram nos últimos anos para conseguir fazer com que o volume de negócios crescesse rapidamente fez com que agora, nos momentos de entrega, tenhamos uma oferta considerável e uma taxa de retomados muito alta”, diz.

Leia mais:

Inflação do aluguel acelera e marca 0,2% em setembro

Continua após a publicidade

Incertezas econômicas prejudicam vendas de imóveis em São Paulo

Segundo ele, as taxas de devolução dos imóveis às incorporadoras, seja por recusa de aprovação de crédito ou desistência do consumidor devido às taxas em época de desaceleração econômica, já chegam a mais de 15%.

Em setembro, São Paulo e Rio de Janeiro tiveram uma variação de preço abaixo da inflação esperada, de 0,40% cada. Ambas costumam liderar as variações do indicador e puxam a média para cima. Mesmo assim, as duas cidades seguem com o metro quadrado mais salgado da pesquisa: 10.793 reais no Rio e 8.277 reais em São Paulo. Os dois municípios que apresentaram os menores preços foram Contagem (3.316 reais) e Goiânia (3.964 reais).

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade