Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

IDH: brasileiras estudam mais, mas ganham menos que homens

A renda nacional bruta per capita feminina no Brasil é de 10.073 dólares, contra 17.566 dólares dos homens

O Brasil ficou estagnado na 79ª colocação pelo terceiro ano consecutivo no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). Entre os fatores que pesam para essa estagnação está a desigualdade de gênero no país.

De acordo com o relatório da ONU, as mulheres brasileiras estudam mais que os homens, mas ganham 42,7% menos que eles. A renda nacional bruta per capita feminina é de 10.073 dólares, contra 17.566 dólares dos homens. Por conta dessa diferença, o IDH dos homens é maior que o das mulheres – 0,761 e 0,755, respectivamente -, já que em outros quesitos as brasileiras vão melhor que os brasileiros.

A expectativa de vida das brasileiras é maior que a dos homens: 79,3 anos, contra 72,1 anos. Os anos de estudo das mulheres também é maior que dos homens: 8 anos, contra 7,7 anos.

 

A desigualdade de gênero também se reproduz na política. O país com menor IDH mundial, Níger, tem mais mulheres no Parlamento do que o Brasil. O Congresso Nacional apresenta 11,3% das cadeiras ocupadas por deputadas e senadoras. Em Níger, são 17%. A participação das mulheres na política é um dos aspectos observados pelo PNUD para avaliar a desigualdade de gênero nos países.

Além da participação, são consideradas as taxas de mortalidade materna, a taxa de natalidade de mães adolescentes, a educação secundária além da participação na força de trabalho. Nesse indicador, batizado de Índice de Desigualdade de Gênero, o Brasil está entre a metade com as piores colocações. De 160 países, ele ocupa a 94ª posição.

A colocação está bem abaixo dos nossos vizinhos. Argentina, por exemplo, está na 81ª posição e o Uruguai, na 57ª posição. Esse desempenho se explica. A taxa brasileira de mortalidade materna, por exemplo, é de 44 óbitos a cada 100 mil nascidos vivos -o dobro do que o apresentado no Chile e 3,5 vezes do que o apresentado no Uruguai.

A proporção de meninas entre 15 e 19 anos que se tornam mães no Brasil também é expressivamente maior. A cada mil mulheres nessa faixa etária, 61,6 se tornam mães. No Chile, a proporção é de 45,6 e no Uruguai, 54,7.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Paulo Bandarra

    Isto é fake news. A diferença só mostra que existem menos mulheres trabalhando do que homens. Não existem homens do lar.

    Curtir

  2. Paulo Bandarra

    Também não mostra que os trabalhos são os mesmos. Que as mulheres ganham menos. Apenas evidencia que as mulheres geram menos renda para o país.

    Curtir

  3. Paulo Bandarra

    Mostra que o estudo dado as mulheres obtém menor retorno na geração de renda. Muitas não entram no mercado de trabalho.

    Curtir