Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ibovespa e dólar têm dia de quase estabilidade, com queda de 0,1%

Ações de varejistas amargam perdas na bolsa brasileira com a chegada do serviço de assinatura Prime, da Amazon

O Ibovespa, principal índice da bolsa de valores brasileira, encerrou o pregão desta terça-feira, 10, com leve queda de 0,14%, fechando aos 103.031 pontos, pressionado pelos setores de varejo e financeiro. As varejistas amargaram a chegada do serviço de assinatura Prime, da Amazon, que fez as ações de grandes empresas despencarem: B2W, Via Varejo e Magazine Luiza sofreram perdas de 4,8%, 3,7% e 5,5%, respectivamente.

Analistas do BTG Pactual avaliaram em nota a clientes que este é mais um movimento de expansão do negócio da Amazon no Brasil e que pode pressionar os papéis das varejistas. Contudo, a equipe do BTG ressaltou que varejistas locais vêm investindo em aumento de tráfego e sortimento de produtos em suas plataformas, além de um melhor nível de serviço, “os quais são, em nossa visão, três pilares fundamentais para se ter sucesso no e-commerce brasileiro e que fazem com que estejam mais bem preparados para a consolidação do mercado local”.

Já o dólar comercial teve leve queda de 0,1% em relação ao real, ficando em 4,10 reais para a venda. A moeda terminou o dia estável mesmo após as atribulações ocorridas no exterior. A expectativa de que a China esteja disposta a fazer uma oferta mais vantajosa aos Estados Unidos nas tratativas comerciais amenizaram os ânimos dos mercados, que adotam uma postura cautelosa antes da reunião de política monetária que será realizada pelo Banco Central Europeu (BCE) nesta semana.

Segundo o jornal South China Morning Post, de Hong Kong, negociadores chineses estariam dispostos a comprar mais produtos agrícolas em troca do adiamento da entrada em vigor de tarifas já anunciadas por Washington, bem com o relaxamento da proibição da compra de equipamentos chineses por entidades estatais dos EUA.

“Tivemos vários fatores que influenciaram a moeda durante o dia e, como estamos muito reféns do cenário externo, é de se esperar que algo do tipo aconteça em um dia de noticiário agitado”, afirmou Camila Abdelmalack, economista-chefe da CM Capital Markets. Enquanto dados econômicos fracos da China alimentaram os temores sobre uma recessão global, impulsionando o dólar, notícias envolvendo a compra de grãos norte-americanos pela China e a demissão do assessor de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, ajudaram a compensar parte das perdas do real.

(Com Reuters)