Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Iate de Eike Batista vai a leilão por 18 milhões de reais

O juiz Marcelo Bretas, que condenou o empresário a trinta anos de prisão, determinou a venda da embarcação

Por determinação do juiz Marcelo Bretas, titular da 7ª Vara Federal Criminal do Rio, o iate Pershing 115 SPA, do empresário Eike Batista, vai ser leiloado na próxima quinta-feira, 13, da semana que vem, com lance mínimo no valor de 18 milhões de reais. Caso não seja arrematado, o iate irá a leilão novamente no dia 18, com redução de 25% do lance inicial.

O iate tem salas, quatro quartos, sendo duas suítes e espaço para guardar dois jet skis. A embarcação de alto luxo tem capacidade para 22 pessoas, sendo 21 passageiros e um tripulante. É equipado com sistema de som MP3, vídeo, TV CLD de 67 polegadas na sala e TVs menores nos outros ambientes. A suíte master é composta de sauna e closet. A cozinha é toda decorada em aço escovado.

Na descrição da embarcação, o juiz Marcelo Bretas informa que o iate tem pouquíssimas horas de uso e a parte interna da embarcação está muito bem cuidada, não aparentando os anos que tem. O iate foi construído em 2009. São necessários alguns reparos porque a embarcação não vem sendo utilizada para navegação, pois, por decisão judicial, a Capitania dos Portos não emitiu o documento de autorização para navegação dos anos de 2016, 2017 e 2018. As taxas e impostos vêm sendo pagos anualmente.

Condenação

No dia 3 de julho deste ano, o empresário Eike Batista foi condenado a trinta anos de prisão em regime fechado pelo juiz Marcelo Bretas, titular da 7ª Vara Federal do Rio de Janeiro, pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Ele é acusado de fazer pagamentos indevidos no valor de 16,5 milhões de dólares ao ex-governador fluminense Sérgio Cabral, em 2011, e de tentar ocultar a propina por meio de uma operação de lavagem de dinheiro.

Segundo a denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal, a fim de ocultar o pagamento a Cabral, o doleiro Renato Chebar criou uma empresa offshore chamada Arcadia Associados, que assinou um contrato fictício com a empresa Centennial Asset Mining Fund, de Eike Batista, para a possível aquisição de uma mina de ouro.

(Com Agência Brasil)