Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Governo pode estender horário de verão até março, diz ministro

Em entrevista ao Jornal Nacional, Eduardo Braga afirmou que o Ministério avaliará índices pluviométricos ao longo do mês para definir necessidade de nova data

O governo pode estender em um mês o horário de verão para estimular a economia de energia. A informação foi dada pelo ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, em entrevista ao Jornal Nacional, nesta quinta-feira. O horário de verão teve início em 19 de outubro e sua previsão de término é em 22 de fevereiro. Contudo, segundo o ministro, equipes avaliarão o ritmo hidrológico a partir do dia 12 para definir se haverá necessidade de ampliação.

Leia também:

Brasil devolve parte da energia que importou da Argentina

Risco de racionamento no Sul e Sudeste ultrapassa 20%, aponta estudo

Importar energia é medida extrema, diz ex-ministro

Para evitar racionamento de luz, represas têm de dobrar

O horário de verão existe em onze estados das regiões Sul e Sudeste, e no Distrito Federal. Com o mecanismo, o governo visa reduzir em 4,5% o consumo de energia no horário de pico.”Faremos uma avaliação no dia 12 de fevereiro para que nós possamos ter uma previsibilidade com relação ao ritmo hidrológico do final do mês de fevereiro e do começo do mês de março. E aí sim tomaremos uma decisão com relação ao horário de verão”, disse Braga.

O ministro reiterou a necessidade de recorrer às térmicas para suprir a falta de chuva – em especial a usina de Uruguaiana, no Rio Grande do Sul, que tem potência de 640 megawatts. Contudo, trata-se da opção menos indicada, já que para funcionar, a usina precisa de autorização do governo argentino para ligar o gasoduto que permite seu funcionamento.

Compra de energia – Também nesta quinra, o governo acaba de abrir mais uma rota para comprar geração de energia de países vizinhos. O Ibama liberou a operação de uma nova rede, que interliga Brasil e Uruguai. A malha parta de uma subestação no município de Candiota (RS) e segue até a divisa com o Uruguai.

Em janeiro, o Brasil utilizou linhas que chegam à Argentina para importar energia e garantir o abastecimento do país, que tem registrado recordes históricos de consumo neste ano. O Brasil já conta com interligações com o Paraguai, Argentina e com o próprio Uruguai. A nova rede de transmissão amplia a capacidade de intercâmbio entre os dois países.

(Com Estadão Conteúdo)