Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Governo planeja leilão para faixa de 4G em abril de 2014

Cronograma de desligamento do sinal analógico não prejudicará nova tecnologia, diz ministro

Por Da Redação - 11 jun 2013, 13h26

O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, disse nesta terça-feira que a flexibilização do cronograma de desligamento do sinal analógico de TV não deverá prejudicar o leilão da faixa de 700 megahertz (MHz) para telefonia e internet móvel de quarta geração (4G). O governo pretende licitar a frequência para as teles em abril de 2014. O cronograma original de desligamento da TV analógica previa a migração completa para o sinal digital até a metade de 2016. Mas a proposta do governo – que teria recebido o aval da presidente Dilma Rousseff – iniciaria o desligamento nas grandes cidades em março de 2015, postergando a mudança nos municípios menores até 2018.

Leia também:

4G: a rede rápida, cara e que quase ninguém usa

Licitação de faixa de 700 MHz é prioridade, diz Bernardo

Publicidade

“Em 4,2 mil municípios não há nenhuma emissora na faixa de 700 MHz. Por isso, adiarmos o desligamento nesses locais não compromete o leilão do próximo ano”, disse Bernardo. “Já nas grandes cidades, o espectro está totalmente tomado, por isso a migração será antecipada”, completou.

Além disso, avaliou o ministro, o cronograma flexibilizado permitirá que a indústria de televisores e conversores digitais consiga dar conta da demanda de aparelhos. “Se fosse feito tudo de uma só vez, precisaríamos vender mais de 30 milhões de equipamentos em um semestre, sendo que anualmente se vendem 15 milhões de TVs no país”, afirmou.

Entrevista: Brasil está pronto para receber rede 4G

Jogo: A corrida do 4G

Publicidade

Infográfico: O mapa do 4G no mundo

De acordo com ele, o Ministério das Comunicações defende a criação de um benefício para baratear esses aparelhos e facilitar a aquisição pela população, mas esse incentivo depende de conversas com os ministérios da Fazenda e do Desenvolvimento. “Quem está no programa Minha Casa Minha Vida já compra outros eletrodomésticos com juros reduzidos e parcelas pequenas. Podemos pensar em algo parecido para a TV digital também”, concluiu.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade