Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Governo mantém alíquotas reduzidas do IPI de veículos até fim do ano

O IPI sobre veículos de até mil cilindradas continua em 3% até o fim de dezembro, em vez de 7%, que seria a alíquota normal

Por Da Redação
30 jun 2014, 17h38

O governo federal decidiu manter até o fim deste ano as alíquotas reduzidas do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) incidentes sobre veículos novos, afirmou o ministro da Fazenda, Guido Mantega, nesta segunda-feira.

O IPI sobre veículos de até mil cilindradas, por exemplo, continua em 3% até o fim de dezembro e não retornará à alíquota normal de 7%, como estava previsto para ocorrer a partir de 1º de julho.

A decisão do governo ocorreu diante da fraqueza do setor automotivo em 2014. Até sexta-feira passada, as vendas de carros e comerciais leves acumulavam queda anual de 8%. Entre janeiro e maio, a queda no número de emplacamentos é de 5,4% na comparação com 2013.

Leia também:

Dívida pública sobe 3,6% em maio, para R$ 2 trilhões

Continua após a publicidade

GM oferecerá US$ 1 mi para cada vítima de acidente por defeito na ignição dos veículos

A política de desoneração do IPI começou em maio de 2012, como forma de estimular o consumo em meio à desaceleração econômica. No início do ano passado, o governo deu início à retomada do valor cheio das alíquotas diante da queda da arrecadação e a necessidade de cumprir o superávit primário, mas manteve o desconto para carros populares (com motor 1.0). Para esses veículos, o IPI continua em 3% ante os 7% que seria o patamar normal.

Para carros com motor acima de 1.0 até 2.0 flex, a alíquota do IPI será mantida em 9%, a mesma desde janeiro passado. Até o fim de 2013 ela estava em 7%. Se fosse retomada de forma integral, chegaria a 11%. Para os veículos com a mesma faixa de motorização, mas movidos apenas a gasolina, a alíquota é mantida em 10%. Caso retornasse ao patamar inicial, seria de 13%.

Para carros com motor acima de 2.0 não houve desconto: continuam de 18% para os flex e 25% para os movidos a gasolina. O IPI para os utilitários é mantido em 3%, quando a alíquota normal seria de 4% a 8%.

Continua após a publicidade

Segundo o ministro Guido Mantega, a renúncia fiscal com a manutenção do IPI será de 800 milhões de reais. Tal valor representa também a quantia que o governo deixou de arrecadar com as desonerações do IPI no primeiro semestre.

Varejo – O governo decidiu também manter os descontos nas alíquotas do IPI incidentes sobre a indústria de móveis até o final deste ano. Segundo a nota da Fazenda, o IPI de móveis, painéis e revestimentos foi mantido em 4% ante perspectiva de elevação a seus níveis normais de 5% a partir da terça-feira. Já a alíquota de luminárias foi mantida em 12% em vez de subir a 15%. A renúncia fiscal estimada para o segundo semestre pela manutenção do benefício é de 161,6 milhões de reais, disse, em nota, o Ministério da Fazenda.

O anúncio foi feito por meio de comunicado à imprensa, após Mantega ter se reunido também com os empresários do setor varejista, como Flavio Rocha, vice-presidente do grupo Guararapes, dono da rede Riachuelo, e Luiza Trajano, presidente do conselho de administração do Magazine Luiza. Ambos os empresários representaram o Instituto de Desenvolvimento do Varejo (IDV).

(Com Reuters)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.