Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Governo estuda prorrogar mais uma vez o IPI reduzido

Uma fonte da equipe do ministério da Fazenda revelou que a decisão da próxima semana deve ser por imposto menor até final do ano

Por Da Redação
22 out 2012, 17h23

O governo deve prorrogar até o fim de dezembro a redução das alíquotas do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de automóveis, para estimular as vendas no fim do ano e ajudar a reduzir os estoques do setor, informou uma fonte da equipe econômica a jornalistas.

“A área técnica trabalha com a possibilidade da prorrogação”, disse. “A decisão final será tomada em nível mais alto nos próximos dias”, acrescentou a fonte referindo-se à decisão a ser tomada até a quarta-feira da próxima semana pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega.

Mesmo com o aumento da produção (crescimento de 1,5% em agosto frente a julho, segundo o IBGE), alguns segmentos industriais, incluindo o setor automotivo, ainda estão com excesso de estoques excessivos. “A redução do IPI é uma medida pontual que tem funcionado bem para o setor automotivo”, comentou a fonte.

A avaliação da área técnica do governo é que o estímulo ao setor automotivo beneficia um segmento amplo do setor industrial, considerando que a fabricação de veículos automotores como um todo responde por quase 20% do setor industrial.

A redução do IPI para veículos foi anunciada em 21 de maio com validade até o fim de agosto. Na ocasião, foi reduzida de 7% para zero a alíquota do imposto para veículos de até mil cilindradas, de 13% para 6,5% a alíquota dos veículos entre mil e duas mil cilindradas, e de 4% para 1% para comerciais leves. No final de agosto o governo optou por manter o benefício até o próximo dia 31, quando nova decisão sobre o assunto será tomada.

Montadoras – O presidente da Fiat e da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Cledorvino Belini, anunciou disse nesta terça-feira que as montadoras pediram ao ministro da Fazenda, Guido Mantega, uma reunião para discutir a prorrogação do IPI reduzido. Belini destacou que, no período após a adoção do IPI reduzido para automóveis, as vendas cresceram 31% e que, do ponto de vista do mercado, a prorrogação seria benéfica para a indústria automotiva brasileira.

Continua após a publicidade

Leia também:

Anfavea quer discutir prorrogação do IPI com Mantega

Novo regime automotivo – Em janeiro, entra em vigor o novo regime automotivo que estabelece crédito presumido de IPI de até 30 pontos percentuais para os fabricantes de veículos que fizerem investimentos em pesquisa e desenvolvimento e que se comprometerem a fabricar veículos com maior eficiência energética.

A despeito de a equipe econômica trabalhar com a prorrogação do IPI baixo para veículos entre novembro e dezembro, uma parte do governo avalia que seria melhor o governo eliminar o benefício em outubro e recompor as alíquotas originais do IPI de veículos antes da entrada em vigor do novo regime automotivo.

Leia também:

Mercedes-Benz pode fabricar compactos no Brasil

Nissan é 1ª montadora habilitada no novo regime automotivo

Linha branca – Com a possibilidade de permanência do IPI baixo para veículos em novembro e dezembro, o governo vai adiar para os últimos dias de 2012 a decisão sobre a permanência em 2013 de todos os IPIs baixos que estão em vigor. Além de veículos, continua reduzido até o fim de dezembro o IPI dos produtos da linha branca, móveis e luminárias.

Na linha branca foram reduzidas as seguintes alíquotas: de 4% para zero para fogões; de 10% para 0 para tanquinhos; de 15% para 5% para refrigeradores; e de 20% para 10% para máquinas de lavar. No segmento de móveis, a alíquota normal de 5% foi rebaixada para zero. Para luminárias o IPI de 15% foi temporariamente reduzido para 5%.

(com Reuters)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.