Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Gastos do governo passam de R$ 1 tri pela primeira vez

Levantamento da ONG Contas Abertas mostra que evolução das despesas pode sinalizar dificuldade no corte do Orçamento

As despesas do governo apresentaram aumento real de 6,6% no primeiro semestre em relação ao mesmo período de 2012. Os desembolsos romperam a barreira do trilhão, atingindo 1,01 trilhão de reais. É o que mostra levantamento da ONG Contas Abertas com base em dados do Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi).

Leia também:

União investiu apenas 22,6% do total previsto para 2013

Os gastos com investimento somaram 20,5 bilhões de reais no primeiro semestre deste ano, contra 20,3 bilhões de reais em igual período de 2012, um avanço de apenas 1% acima da inflação. Em comparação com 2010, o ano do “pibão” de 7,5%, os investimentos estão 12,7% menores, em termos reais. “É um desempenho pífio”, comentou o secretário-geral da Contas Abertas, Gil Castello Branco.

Leia mais: Corte de gastos do governo deve ficar em R$ 12 bilhões

Augustin nega que mudança do estatuto do BNDES seja ‘maquiagem fiscal’

Dos 90,2 bilhões de reais disponíveis para investir, apenas 19 bilhões haviam sido empenhados até junho, o que significa dinheiro comprometido, que já foi reservado para pagar um contrato específico. Apenas 3,7 bilhões de reais foram pagos, ou seja, foram desembolsados mediante a entrega de um bem ou serviço ao governo.

Porém, no período foram liberados outros 16,8 bilhões de reais para pagar investimentos contratados com verbas de orçamentos de anos anteriores – os chamados restos a pagar.

Os dados do Contas Abertas são diferentes das informações do Tesouro e do Planejamento, porque não consideram os gastos com o programa Minha Casa Minha Vida como investimento, e sim como custeio. Ainda assim, a estabilidade dos investimentos foi admitida pela ministra do Planejamento, Miriam Belchior, na divulgação do balanço do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), no mês passado. Uma das causas é o atraso na aprovação do Orçamento pelo Congresso.

Leia ainda: Governo estuda adiar novas desonerações

Governo persegue meta de superávit apertada, diz Fazenda

(com Estadão Conteúdo)