Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

FT diz que Brasil perdeu cerca de US$ 284 bi em investimentos em três anos

Jornal britânico usou dados do BC para mostrar a perda de capital e acredita que cenário dificilmente vai mudar no curto prazo

O jornal britânico Financial Times publicou reportagem nesta quinta-feira que mostra que o Brasil perdeu cerca de 284 bilhões de dólares em investimentos nos últimos três anos. O veículo toma como base números do Banco Central brasileiro.

A matéria do FT mostra que o fluxo de investimentos estrangeiros – somando investimento direto e em carteira de ativos financeiros – no Brasil superou 260 bilhões de dólares entre janeiro de 2011 e novembro do ano passado. Apesar dessa entrada de capital, nesse mesmo intervalo, o valor desses ativos detidos por estrangeiros caiu de 1,351 bilhões de dólares para 1,327 bilhões de dólares, uma perda de mais de 284 bilhões de dólares.

Leia também:

Brasil perde espaço e está em 4º lugar em ranking de planos de negócios

Bancos preveem desaceleração dos investimentos no Brasil em 2014

‘FT’ diz que baixo crescimento prejudica Dilma em 2014

O jornal britânico diz que a perda nesses três anos é de uma destruição “de escala colossal”. Contudo, o FT pondera que isso não quer dizer que os investidores deixaram de ganhar dinheiro no país. “O Brasil rendeu enormes retornos. Ao longo de 2009, de acordo com o Banco Central, o valor das ações detidas por estrangeiros aumentou de 150 bilhões de dólares para 376 bilhões de dólares, alta de quase 227 bilhões de dólares em um ano em que houve entrada de apenas 37 bilhões de dólares, o quer dizer um rendimento de 190 bilhões de dólares em ações apenas durante esse ano”, comenta o jornal.

O FT não vê um cenário promissor para os investimentos no Brasil, a menos que a conjuntura internacional mude ou o país altere sua política econômica. Apesar de reconhecer que a crise mundial afetou o crescimento econômico do país, o jornal britânico lembra que os críticos dizem que o mal desempenho é consequência do aumento de uma marca local do “capitalismo de Estado” brasileiro.