Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

FMI afirma que recuperação econômica dos EUA seguirá lenta

Segundo o Fundo, um dos fatores que dificulta um crescimento maior do país é o corte abrupto de gastos públicos

Por Da Redação
26 jul 2013, 17h43

O Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê que a recuperação econômica dos EUA seguirá lenta em 2013, com um crescimento de 1,7%, e terá uma aceleração de 2,7% somente no ano que vem, quando também haverá uma queda gradual do desemprego, segundo a última avaliação do país publicada nesta sexta-feira. O vencimento em janeiro das reduções dos impostos sobre a folha de pagamento e os abruptos cortes dos gastos públicos que entraram em vigor em março “estão pesando muito no crescimento deste ano”, indicou o FMI em seu relatório.

Após ter crescido 2,2% em 2012, o Produto Interno Bruto (PIB) americano aumentou 1,8% no primeiro trimestre e os indicadores “sugerem um crescimento mais lento no segundo trimestre”, acrescentou. Por isso, a previsão do Fundo é que neste ano os EUA experimentem um “crescimento moderado” de 1,7%, abaixo de 1,9% previsto em abril e junho. Para 2014, quando os “legados negativos” da crise “diminuirão ainda mais”, o FMI mantém sua perspectiva de crescimento de 2,7%.

Com relação ao desemprego, atualmente em 7,6%, o organismo acredita que se manterá “praticamente estável” neste ano e “cairá gradualmente” em 2014. A “natureza” da recuperação dos EUA “parece estar mudando”, segundo o Fundo, dado o aumento de mais de 10% nos preços dos imóveis nos últimos 12 meses e o apoio à demanda privada. “Ao mesmo tempo, a construção de casas acelerou e as condições do mercado de trabalho melhoraram”, em grande medida graças à “política monetária flexível” do Federal Reserve (Fed), o banco central americano.

Leia também:

Atividade industrial dos EUA se recupera em julho

Os riscos para a economia seguem baixos, mas o crescimento poderia ser menor do que o esperado devido a um impacto mais forte do que o previsto da consolidação fiscal, um aumento mais rápido do que o esperado nas taxas de juros, um entorno externo débil e um aumento do desemprego estrutural. De acordo com o Fundo, “a saúde dos bancos dos Estados Unidos melhorou significativamente nos últimos 12 meses”, mas há sinais de “vulnerabilidade emergente” por causa das taxas de juros “persistentemente baixas”. Em suas recomendações, o FMI sustentou que a política monetária ‘flexível’ do Fed continua sendo ‘um apoio essencial’ para a recuperação, mas alertou que “suas implicações para a estabilidade financeira devem ser avaliadas cuidadosamente”.

Um longo período com taxas de juros baixas pode ter “consequências não desejadas para a estabilidade financeira interna”, advertiu o organismo com sede em Washington. O órgão também insistiu que a “plena aplicação” da reforma financeira iniciada pelo presidente Barack Obama ‘continua sendo essencial para aumentar a capacidade de resistência do sistema financeiro americano’.

Continua após a publicidade

Leia também:

Pedidos de auxílio-desemprego nos EUA têm forte queda

(com EFE)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.