Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Fiesp contestará prorrogação de concessão de energia

Paulo Skaf, presidente da Federação das Indústrias de São Paulo, disse que entrará na Justiça caso o governo decida renovar concessões do setor

O presidente da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, reafirmou nesta quarta-feira que, se o governo decidir prorrogar “ilegalmente” as atuais concessões de energia elétrica, a entidade vai entrar na Justiça para contestar a legalidade da medida.

“Se eles prorrogarem ilegalmente, vamos buscar no Poder Judiciário o direito de todos os consumidores”, declarou Skaf ao final da cerimônia de anúncio do pacote de concessão de rodovias e ferrovias, no Palácio do Planalto. “É uma pena que eu não veja predisposição do governo para anunciar isso o quanto antes”, desabafou o executivo, que esperava que na cerimônia desta quarta-feira a presidente anunciasse os leilões de energia.

Leia mais:

Dilma decide renovar concessões do setor elétrico

Com PAC das Concessões, Dilma retoma as privatizações

Skaf lembrou que o brasileiro paga a terceira conta de energia mais cara do mundo, embora tenha a forma de geração mais barata, por meio de hidrelétricas. Segundo ele, se for feito o leilão, as contas de luz da população seriam reduzidas em pelo menos 20%. “E isso não tem nada a ver com a discussão de redução de impostos”, declarou Skaf, referindo-se às propostas em discussão no governo de diminuição de encargos para redução do preço.

De acordo com Skaf, todo o sistema Eletrobrás quer manter as atuais concessões, assim como os governadores que têm empresas de energia em seus estados. “Mas eles podem entrar, concorrer e ganhar, reduzindo os preços”. O presidente da Fiesp elogiou a iniciativa do governo em relação ao pacote de concessões de rodovias e ferrovias. Para ele, “a proposta apresentada é boa de qualquer jeito”.

Leia também:

Pacote para o setor elétrico sai depois das Olimpíadas

(com Agência Estado)