Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Executivos da Gregory são processados por trabalho escravo

Funcionários bolivianos eram submetidos a jornadas exaustivas em ambiente precário de trabalho

Por Da redação Atualizado em 30 ago 2017, 20h59 - Publicado em 30 ago 2017, 17h53

A Justiça Federal em São Paulo aceitou denúncia do Ministério Público Federal (MPF) e instaurou ação penal contra representantes da confecção de roupas Gregory por ligação com o trabalho de bolivianos em condições análogas à escravidão.

Fiscalização do Ministério do Trabalho resgatou 22 trabalhadores de oficinas de costura que prestavam serviços indiretamente para a Gregory – eram subcontradadas por outros fornecedores – em fevereiro e março de 2012. Essas pessoas, de acordo com a denúncia, eram submetidas a condições degradantes, jornadas exaustivas e atividades forçadas.

As condições de trabalho também eram péssimas, incluindo sujeira, infiltrações, instalações sanitárias precárias e irregularidades na rede elétrica.

Em uma das oficinas, os funcionários viviam e trabalhavam no mesmo local, junto com seus filhos. A fiscalização flagrou inclusive um bebê, de um mês de vida, que dormia entre os motores de duas máquinas de costura em um berço improvisado com caixas de papelão.

De acordo com a denúncia, a mão não recebeu durante o período em que ficou internada no hospital após a parto. Além disso, ela voltou a trabalhar assim que retornou à oficina, sem direito à licença-maternidade.

Continua após a publicidade

Na época, as oficinas pagavam o equivalente a R$ 3 por peça produzida e os funcionários ainda pagavam com trabalho pelas passagens de vinda da Bolívia, caracterizando uma situação de servidão por dívida.

Os réus vão responder pelo crime de reduzir os trabalhadores a condição análoga à de escravo. A pena prevista varia entre dois e oito anos de prisão para cada vítima identificada, além do pagamento de multa.

Outro lado

Em nota, a Gregory afirma que repudia toda forma de exploração do trabalho e que seus sócios ainda não tinham conhecimento do recebimento da denúncia na ação penal citada.

“Os trabalhadores bolivianos resgatados nunca trabalharam para a Gregory, que desconhecia o problema. Eles trabalhavam para oficinas, contratadas por empresas fornecedoras, sem autorização ou conhecimento da Gregory ou de seus sócios”.

Segundo a empresa, “essas questões já haviam sido esclarecidas à Polícia Federal e é com espanto que a empresa recebe a notícia do recebimento da denúncia, através da imprensa, como, infelizmente, virou costume no Brasil”. “A empresa aguardará os trâmites regulares do processo e tem certeza da absolvição de seus sócios.”

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)