Clique e assine a partir de 9,90/mês

Euro cai para o menor patamar em dois anos

Ata de reunião do BC americano deixa claro que um novo afrouxamento quantitativo – que, na prática, desvaloriza a moeda do país – não está a caminho

Por Da Redação - 11 jul 2012, 19h40

O euro caiu para o menor nível em dois anos em relação ao dólar, após a ata da última reunião de política monetária do banco central americano, divulgada nesta quarta-feira, ter dado sinais claros aos investidores de que um novo relaxamento quantitativo – troca de títulos do Tesouro por dólares – não está a caminho. No fim da tarde, em Nova York, o euro era negociado a 1,2240 dólar, de 1,2249 dólar na véspera. A libra caiu para 1,5503 dólar, de 1,5520 dólar no dia anterior.

Fed – A ata da reunião do Comitê de Mercado Aberto (FOMC, equivalente ao Copom no Brasil) de junho mostrou que as autoridades monetárias estão divididas quanto ao momento e à necessidade de mais estímulo, indicando que o Fed não está com pressa para lançar outra rodada de compra de bônus para estimular a economia. A notícia foi boa para o dólar que registrou alta frente à maioria das principais moedas, contrariando um movimento que normalmente enfraquece a moeda local.

Os participantes do mercado olharão agora o testemunho do presidente do BC americano, Ben Bernanke, diante do Comitê de Bancos do Senado, na próxima terça-feira, em busca de uma direção para as novas ações do Fed. Na Europa, o primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, divulgou um pacote com uma série de medidas que visam ajudar o país a cumprir metas para o déficit até 2015. Entretanto, analistas disseram que a Espanha ainda pode precisar de ajuda porque o programa deve atingir duramente a recuperação da economia.

Já o iene enfraqueceu-se em relação ao dólar e ao euro à espera do resultado da reunião de política monetária de dois dias do Banco do Japão, que termina nesta quinta-feira. Analistas têm opiniões diversas sobre o encontro, mas a maioria descarta qualquer tipo de medida agressiva de flexibilização imediata pelo BC do Japão.

Continua após a publicidade

(com Agência Estado)

Publicidade